iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

10/07 - 11:10

Especial: clubes podem sonhar, mas nem todos topam voltar

Abaixo, a lista dos jogadores cujas contratações foram classificadas como 'complicadas' ou 'inacessíveis'

Por Allan Brito e Bruno Pessa, do iG Esporte

SÃO PAULO - Uns estão em alta, mesmo jogando em centros de menor expressão. Outros estão em baixa, mas atuam em países fortes no cenário europeu. Outros, simplesmente, não estão dispostos a abrir mão do alto salário. Eis os jogadores e treinadores que dificilmente, ou sob nenhuma circunstância, aceitariam voltar ao Brasil.

CONTRATAÇÕES COMPLICADAS

>> Dênis Marques, 27 anos, atacante do Omiya Ardija (Japão)
Fez fama no Brasil com a camisa do Atlético Paranaense, que defendeu entre 2004 e 2007. Principal goleador de sua equipe no Japão, só trocaria a boa fase vivida atualmente por uma excelente proposta brasileira.

>> Fabiano, 30 anos, volante e meia do Necaxa (México)
Ex-São Paulo e Santos, o genro de Vanderlei Luxemburgo está com 30 anos. Jogou na Espanha e foi para o México em 2004. Agora está atuando no meio-campo e é valorizado, mas o Corinthians tentou sua contratação no começo do ano e o negócio só não andou por questões financeiras, porque o atleta já disse que quer voltar.

>> Itamar, 28 anos, atacante do Jaguares (México)
Ganhou projeção no Palmeiras (2000-2002) e no São Paulo (2003). Em seguida, rodou por times sul-coreanos entre 2003 e 2007, até chegar ao futebol mexicano no início deste ano. Marca muitos gols por lá e pode ser considerado de idade avançada. Mas também pode repetir a trajetória de Kléber Pereira, que acumulou temporadas no México antes de vir para o Santos como grande nome.

>> Léo, 32 anos, lateral-esquerdo do Benfica (Portugal)
Destaque do Santos de 2002 a 2004, Léo chegou a virar unanimidade também em Portugal. Mas agora o lateral-esquerdo está com quase 33 anos e, como o setor é carente no Brasil e a carreira se aproxima do final, atuar por aqui pode ser uma possibilidade interessante para ele.

>> Rafael Sóbis, 23 anos, atacante do Betis (Espanha)
Desequilibrou a final da Libertadores-2006 para o Internacional e invariavelmente é lembrado por Dunga na seleção. Mas no Betis não foi nem sombra do sucesso de antes e agora vive na reserva. Mesmo assim, só viria por empréstimo.

>> Renato Abreu, 30 anos, meia do Al-Nasr (Emirados Árabes Unidos)
Destacou-se no Flamengo e agora virou desejo de muitos clubes por causa da sua versatilidade para marcar e atacar, característica valiosa no futebol atual. Porém, seu clube não pretende liberá-lo antes do final do contrato (em julho) e ainda negocia uma renovação.

>> Roni, 31 anos, atacante do Yokohama Marinos (Japão)
Bem lembrado pela torcida do Fluminense, onde "resolveu" vários jogos, e um dos artilheiros do Cruzeiro no Brasileirão 2007, chegou neste ano ao Japão. É o atual goleador do seu time no campeonato local e não representa novidade por aqui, o que pode dificultar uma volta ao Brasil. Mas tem muita torcida que queria vê-lo voltar.

>> Toninho Cerezo, 53 anos, técnico do Al-Shabab (Emirados Árabes Unidos)
Com passagens por Guarani, Atlético-MG e Vitória, não conseguiu repetir no Brasil, como treinador, os títulos levantados no tempo em que jogava. Foi mais feliz no Japão, campeão no Kashima Antlers, e esteve na Arábia Saudita antes de chegar aos Emirados. Campeão nacional recentemente por lá e com um ótimo salário, só o desafio de vencer pode trazê-lo de volta.

CONTRATAÇÕES INACESSÍVEIS

>> Araújo, 30 anos, atacante do Al-Gharafa (Catar)
Ídolo do Goiás, fez sucesso no Japão, mas sua passagem pelo Cruzeiro foi prejudicada por grave lesão. Desde que foi para o Catar, virou artilheiro e dificilmente será liberado. Além disso, tem chance de se naturalizar para defender a seleção nacional. O salário alto também virou um empecilho para outros clubes que já tentaram repatriá-lo.

Caio, 22 anos, atacante do Eintracht Frankfurt (Alemanha)
Ainda deixa saudades em alguns palmeirenses que o viram comandar o time na boa campanha de 2007 no Brasileirão. Chegou à Alemanha, fez gol e foi comparado a Raí e Ballack, mas não se firmou completamente. Pode ser uma boa voltar ao Brasil e amadurecer mais antes de retornar à Europa.

>> Cléber Santana, 27 anos, meia do Atlético de Madrid (Espanha)
Destaque do Santos especialmente na conquista do título paulista de 2006, foi para a Espanha e não teve uma seqüência de jogos. Porém, o empresário já disse que, se ele sair do Atlético, será para outro clube da Europa.

>> Danilo, 29 anos, meia do Kashima Antlers (Japão)
Até hoje alguns são-paulinos sentem falta do meia revelado no Goiás, fundamental nas inesquecíveis conquistas tricolores em 2005 e 2006. No Japão, demorou para se firmar, mas já fez gols importantes e conquistou títulos sob o comando de Oswaldo de Oliveira. Os japoneses não querem nem saber de liberá-lo, até porque jogam as quartas-de-final da Liga dos Campeões da Ásia em setembro.

>> Edmílson, 25 anos, atacante do Urawa Red Diamonds (Japão)
Destaque do Palmeiras na Série B em 2003, foi para o Japão e jogou em um time pequeno, mas conseguiu fazer sucesso. Foi comprado recentemente pelo Urawa para substituir Washington, hoje no Fluminense. A única possibilidade seria sua vontade de jogar bem na primeira divisão do Brasileirão.

>> Jádson, 24 anos, meia do Shakhtar Donetsk (Ucrânia)
Revelado no Atlético-PR em 2003, tem sido procurado por muitos clubes brasileiros, como Santos e Palmeiras. Mas o time ucraniano vê futuro no meia de 24 anos e a negociação é complicada.

>> Juninho, 30 anos, atacante do Kawasaki Frontale (Japão)
Era um dos poucos destaques individuais do Palmeiras entre 2001 e 2002 . Foi para o Japão, se destacou e já pensou até em se naturalizar, declarando que ama o país e quer passar o resto de sua vida no Oriente. Agora com 30 anos, é camisa 10 e ídolo de um time mediano por lá.

>> Marcelo Mattos, 24 anos, volante do Panathinaikos (Grécia)
Campeão paulista com o São Caetano e um dos líderes do Corinthians na 'era MSI'. Vendido em agosto do ano passado, ainda tem três anos de contrato, é titular, jogará a Liga dos Campeões e almeja transferência para clube maior na Europa para ficar mais perto da seleção. Brasil não está nos seus planos tão cedo.

>> Marquinhos, 31 anos, atacante do Kashima Antlers (Japão)
Ex-Guarani, não é muito conhecido no Brasil, ao contrário do Japão, onde fez sucesso e muitos gols vestindo diferentes e tradicionais camisas. Como está muito bem e poucos o conhecem aqui, voltar seria uma aposta de risco.

>> Willian, 19 anos, meia-atacante do Shakhtar Donetsk (Ucrânia)
Um dos últimos talentos revelados no Corinthians, continua com o prestígio em alta no seu atual clube. Porém, ainda é tratado como uma aposta para o futuro e não tem se adaptado bem ao gelado país europeu. A negociação é complicada, mas um empréstimo para o jogador evoluir no Brasil pode resolver a questão.

>> Oswaldo de Oliveira, 57 anos, técnico do Kashima Antlers (Japão)
Substituto de Luxemburgo no Corinthians, onde levantou o Mundial de Clubes de 2000, passou ainda por outros times da elite, mas não conquistou títulos. Após boa passagem no Catar, conduziu o Kashima ao topo do futebol japonês. Com a Liga dos Campeões da Ásia como desafio, um time forte comandado por Danilo e Marquinhos e o prestígio que vem gozando por lá, não teria motivos para abandonar o barco neste momento.

>> Paulo Autuori, 51 anos, técnico do Al-Rayyan (Catar)
Treinador experiente, campeão com Botafogo, Cruzeiro, Alianza Lima (Peru), Sporting Cristal (Peru) e São Paulo, onde levantou a Libertadores e o Mundial de Clubes. Antes do Oriente Médio, trabalhou no Japão. Pelos feitos de peso, é sempre lembrado quando os clubes brasileiros da elite procuram treinadores, tanto que chegou a conversar com a diretoria santista, recentemente, após a saída de Émerson Leão. Mas renovou contrato lá fora e tem poucas chances de voltar ao Brasil.


Leia mais sobre: Campeonato Brasileiro



Alerta de Gols Receba notícias pelo seu celular

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Divulgação

Parceria de sucesso
Sóbis foi bem ao lado de Pato, mas não conseguiu brilhar como o colega na Europa

Topo