iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

04/07 - 14:21

Semelhanças com Mário Sérgio podem derrubar Geninho
O técnico Geninho estreou no Botafogo com uma vitória por 2 a 1 sobre o Coritiba, o que fez a torcida acreditar na possibilidade de esquecer Cuca, que deixou o clube após a eliminação da Copa do Brasil diante do Corinthians e era muito querido pelos torcedores botafoguenses

Gazeta Esportiva

Porém depois do triunfo contra o Coxa o time carioca vem sofrendo com uma seqüência negativa, com duas derrotas seguidas para Internacional por 2 a 1, em Porto Alegre, e para a Portuguesa por 1 a 0 em casa.

Além disso no fim de semana passado o Glorioso não conseguiu mais do que um empate sem gols com o time reserva do Fluminense. Nos bastidores de General Severiano, esse desempenho já começa a incomodar, assim como aconteceu com Mário Sérgio, que assumiu o Alvinegro por três jogos no ano passado e foi demitido após três derrotas no comando da equipe. Fontes ligadas à diretoria acreditam que Geninho possa ter o mesmo destino se não conseguir bater o Grêmio neste domingo, às 18h10 (de Brasília), no Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, no Rio de Janeiro, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

Mário Sérgio dirigiu o Botafogo logo depois da derrota por 4 a 2 para o River Plate, na Argentina, que gerou a eliminação na Copa Sul-Americana. Após aquele compromisso Cuca pediu demissão e o diretor de futebol do clube na época, Carlos Augusto Montenegro, deu entrevistas acusando alguns atletas de não se empenharem.

Mário Sérgio foi apresentado em meio a um tumulto generalizado na sede, com a torcida jogando pipoca e bonecas ao plantel. Sua estréia, num Maracanã vazio, foi na derrota de 3 a 0 para o Goiás. Depois disso, derrotas de 2 a 0 para Atlético-PR e 2 a 1 para Santos, que derrubaram o técnico, que saiu sob a acusação de não ter conseguido dar um padrão tático ao Alvinegro.

Geninho vem sendo acusado por muitos pela mesma falta de padrão. Contra o Fluminense o Botafogo fez uma de suas piores partidas nos últimos anos, o time foi vaiado e alguns dirigentes já sentem que uma mudança na comissão técnica pode ser necessária. Alheio ao assunto Geninho tem evitado dar entrevistas sobre o tema, mas reconhece que o duelo contra o Grêmio é importante para os rumos do time no Campeonato Brasileiro. Com oito pontos ganhos, o Glorioso pode encerrar a rodada na zona de rebaixamento se não deixar o Engenhão vitorioso.

“Como nós não conseguimos ganhar o jogo passado o próximo compromisso é sempre o mais importante, ainda mais num momento como esse, com os resultados negativos nos levando para a parte de baixo da tabela. Mas confio muito no plantel que tenho nas mãos”, afirmou Geninho.

Lutando contra a maré Geninho também tem sido vítimas da fragilidade do elenco, tanto que já pediu a contratação de atacantes para disputarem posição com Jorge Henrique e Wellington Paulista, que não estão vivendo uma boa fase. Os reservas imediatos, Fábio e Vanderlei, não agradaram. O segundo muitos dirigentes colocam na conta de Geninho, que o indicou mesmo tendo colocado o atleta na reserva quando dirigia o Atlético-MG.

“Todos sabem as carências que o elenco do Botafogo tem, como vários times do Campeonato Brasileiro também têm. Mas a diretoria está trabalhando, até porque o mercado não oferece muitas opções”, disse Geninho, evitando críticas públicas ao plantel.

Em General Severiano tem quem sonhe até mesmo com o retorno de Cuca, que também não vem tendo sorte no Santos, que figura na zona de rebaixamento. No vestiário do Maracanã, após o empate com o Fluminense, já existia até conselheiros querendo um contato com o ex-treinador. Mas dificilmente Cuca aceitaria retornar, pois deixou General Severiano dizendo que precisava respirar novos ares e que o Botafogo necessitava de um novo comandante.

Alguns nomes começam a ser especulados em General Severiano. O primeiro da lista é Dorival Júnior, atualmente no Coritiba. Mas a multa rescisória de seu contrato com o campeão paranaense é alta. O segundo cotado é Paulo César Gusmão, que assumiu recentemente o Figueirense. O que pesa contra ele é o fato de ter deixado o Glorioso no meio do Campeonato Brasileiro de 2005 após entrar em choque com a diretoria e reclamar dos atrasados salariais, um problema que voltou à tona este ano. Outra opção é Ney Franco, porém este só não foi contratado quando Cuca saiu este ano porque o salário que pediu foi considerado alto pelos dirigentes botafoguenses. Outros nomes especulados são os de Vágner Benazzi, da Portuguesa, Vágner Mancini, do Vitória, e Waldemar Lemos, atualmente sem clube, mas que já dirigiu o Flamengo.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo