iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

03/07 - 20:40

Por Kléber e Valdívia, Luxa volta a criticar chefes de árbitros
No Paulista, Wanderley Luxemburgo chamou a atenção por suas críticas ao Coronel Marinho, presidente da Comissão de Arbitragem estadual. O técnico não se conformava com o dirigente, que acredita ser autoritário.

Gazeta Esportiva

Após as suspensões de Kléber e Valdívia, Luxa repete suas palavras, mas desta vez em direção a Sérgio Corrêa, comandante da arbitragem nacional.

De acordo com o treinador alviverde, tanto no nível estadual como nacional os árbitros estão sendo instruídos a não admitirem o diálogo com os atletas, convicção que aumentou após ver Kléber expulso por ter conversado com Djalma Beltrami na vitória do Verdão sobre o Náutico, domingo.

“Os árbitros são donos do jogo. O que o Sérgio Corrêa tem passado, e o Coronel Marinho em São Paulo também, são para que eles se sintam os todo-poderosos. A prepotência tem sido muita clara. Eles têm que apitar normal, e quem comanda que tem que mudar”, pediu Luxemburgo, saudosista em relação aos tempos em que era jogador, nos anos 70 e 80.

“Falam que o futebol está muito chato hoje, mas antigamente, na época em que eu jogava, a gente discutia com os juízes, até com palavrão, e tudo era melhor. Tem que ter essa discussão de coisas referentes ao futebol”, solicitou o ex-lateral-esquerdo de Flamengo e Botafogo.

Diante do cenário que tem visto com os apitadores, o técnico está certo de que Kléber ficou “marcado” e por isso foi expulso, assim como já ocorreu com Valdívia, quando interpretava que as faltas sobre os chilenos eram ignoradas.

“Sem dúvida o Kléber ficou marcado. Quem viu o jogo contra o Vasco, viu que o (Carlos Eugênio) Simon, que é um grande árbitro, deixou de marcar muitas faltas nele. Isso vai irritando o jogador”, analisou. “Não pode ter essa perseguição contra o jogador, um corporativismo para todos os árbitros marcarem o jogador”, continuou.

Apesar da injustiça que Luxemburgo tem visto contra seu atleta, o gerente de futebol Toninho Cecílio havia dito na segunda-feira que a atitude do camisa 30 era inadequada, e não descartava uma multa. Quem decidiria isso, contudo, seria o técnico. E o comandante nem titubeou ao desculpar Kléber.

“Nem puni ele, porque ele não mereceu ser expulso. O Kléber não falou nada e tenho duas testemunhas da minha comissão técnica disso”, garantiu. “Quando merecer, vou punir e com grana mesmo. O Valdívia, por exemplo, tomou uma cotovelada do camisa 10 do Náutico, que apareceu na televisão, e recebeu o amarelo. Quando os dois merecerem, vão ser punidos, mas do jogo de domingo não merecem”, frisou.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo