iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

01/07 - 21:36

Para diretor, atitude de Kléber contra Náutico foi inadequada
A expulsão de Kléber na vitória sobre o Náutico, a segunda em seis jogos no Campeonato Brasileiro, não repercutiu bem na diretoria.

Gazeta Esportiva

O gerente de futebol Toninho Cecílio não gostou de ver o atacante receber o vermelho por ter reclamado com o árbitro Djalma Beltrami ao tomar o cartão amarelo. Mas minimizou as críticas ao camisa 30.

“Nessa partida, o Kléber teve um comportamento inadequado. O árbitro já tinha expulsado o jogador do Náutico e ele já tinha tomado o amarelo. Vou confiar no Kléber, que disse que só conversou com o árbitro, o que não devia fazer, deveria ter aceitado. Mas apresentou um argumento e o árbitro decidiu pelo vermelho. Mas não foi um desequilíbrio nem indisciplina do Kléber”, considerou.

O dirigente, contudo, não descarta multar o companheiro de Alex Mineiro, mas ainda consultará Wanderley Luxemburgo sobre o assunto. “Em todas as nossas ações, é preciso conversar com o treinador. Em princípio, é uma situação que não gostamos e queremos que se evite esse tipo de expulsão. Mas vamos analisar com calma qual a atitude a ser tomada”, ponderou.

De qualquer maneira, o ex-zagueiro garante que na analisará o novo episódio com base nos antecedentes de Kléber, que incluem suspensão no clube por entrada dura em um treino no zagueiro Maurício e briga em casa noturna. “Sempre que acontecem casos como o de domingo, temos que analisar isoladamente, sem ver o que já pode ter acontecido antes até mesmo na vida particular, que a gente não se intromete”, concluiu.

Em defesa do companheiro – Apesar da reprovação da diretoria, Kléber foi defendido por Denílson, seu provável substituto no jogo de domingo contra o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte. Para o meia-atacante, o lance do camisa 30 na última rodada foi diferente da primeira expulsão no Brasileiro, quando recebeu o vermelho por entrada em zagueiro do Atlético-PR.

“Não cheguei a escutar o que ele disse ao árbitro, mas acho que foi injusto. A outra foi justa por que foi uma jogada consideradas desleal pelo árbitro. Mas o Kléber para mim foi o melhor contra Vasco, correu o campo todo, sofreu várias faltas que o juiz não deu e continuou da mesma forma”, elogiou, tentando explicar o histórico do atacante. “Pela força física dele, o árbitro pode ter a interpretação de que houve agressão, que ele é desleal. É uma forma de jogar que faz o árbitro ter essa dúvida”.

Diante da postura de Kléber, Denílson acredita que o companheiro pode estar “marcado” pela arbitragem. “Acho que isso existe um pouco porque os árbitros conversam sobre as atitudes dos jogadores. O Valdívia, por exemplo, ficou marcado por se jogar e reclamar e nessa temporada mudou um pouco, está melhor, muito mais objetivo e agüentando muito mais as pancadas”, avaliou.

E o pentacampeão aproveitou também para criticar a postura atual dos árbitros, avessos à conversa com os atletas dentro de campo. “Com o árbitro é sempre difícil falar e a decisão é sempre dele. Já escutei tanta coisa e ficou por isso, mas quando o jogador fala é expulso. É questão de critério só do árbitro”, reclamou.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo