iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

29/06 - 17:47

Espanha vence a Alemanha e encerra tabu com título da Euro
Depois de 44 anos, e graças a uma campanha irretocável, a Espanha finalmente voltou a conquistar o título da Eurocopa. Neste domingo, jogando em Viena, a Fúria superou a Alemanha com um placar de 1 a 0 e voltou a comemorar o título que não levantava desde 1964, quando venceu a União Soviética com uma final disputada na própria Espanha.

Gazeta Esportiva

A Fúria ainda entrou em campo com a desvantagem de não contar com o atacante David Villa, artilheiro da Eurocopa com quatro gols e vítima de um estiramento muscular na coxa na partida das semifinais contra a Rússia. Para piorar, os comandados de Luis Aragonés ainda viram o meia Michael Ballack, dado como dúvida para a partida, começar entre os titulares da Alemanha.

Mesmo assim, o setor ofensivo da Fúria não decepcionou, pressionando os rivais germânicos ao longo do jogo e decidindo a partida ainda no primeiro tempo. Sem conseguirem pressionar o gol de Iker Casillas, os jogadores de Joachim Low tiveram poucas chances, quase sempre de longe da área. Sem risco para os ibéricos.

Com a vitória magra, a Espanha completou uma campanha quase perfeita ao título – o maior das últimas quatro décadas da equipe. Depois de vencer Rússia, Suécia e Grécia na primeira fase, a equipe passou pela Itália nas quartas-de-final com um 0 a 0, graças a uma vitória por 4 a 2 nos pênaltis. Aí, nas semifinais, os espanhóis voltaram a enfrentar os russos, e conquistaram mais uma vitória sobre a vedete da Euro: 3 a 0.

Os alemães, por sua vez, demonstraram na decisão a instabilidade que exibiram ao longo de toda a competição. Depois de vencerem a Polônia na estréia do Grupo B, os alemães foram derrotados pela Croácia, e só conseguiram passar com uma vitória sobre a anfitriã Áustria. Depois, no entanto, embalaram na competição, superando o bom momento de portugueses e turcos antes de chegar à decisão. No entanto, faltou consistência aos tricampeões no último compromisso.

A Espanha iniciou o jogo sufocada pelo toque de bola dos alemães, que chegaram a ter três boas chances nos primeiros dez minutos. Na melhor delas, logo aos três, Sérgio Ramos errou na saída de bola e foi desarmado por Miroslav Klose, que tentou o avanço, mas errou ao tocar muito longo e mandou pela linha de fundo. A resposta, porém, veio com perigo aos 13 minutos, em cruzamento de Andrés Iniesta pela esquerda após passe de Xavi Hernandez. A bola saiu torta, mas desviou na defesa germânica e foi em cima de Jens Lehmann, que precisou se esticar para mandar para fora.

A Fúria, nesse momento, já era superior em campo, e quase abriu o placar em cabeçada de Fernando Torres na trave aos 21 minutos, após cruzamento de Sérgio Ramos. Os alemães ainda tentavam responder com duas jogadas articuladas por Lukas Podoslki, mas o camisa 20 parou na defesa da Fúria em ambas. Do outro lado, Césc Fábregas tentou com um chute rasteiro aos 30 minutos, mas Lehmann fez a defesa segura e evitou o gol, que estava por vir.

E ele veio, aos 32 minutos, com Fernando Torres. Após receber longo cruzamento de Xavi na direita, o atacante do Liverpool ganhou de Lahm na corrida, entrou na área e bateu na saída de Lehmann para abrir o placar para a Espanha – que só não ampliou dois minutos depois David Silva mandou muito longe do gol o chute de primeira que tentou após receber cruzamento de Iniesta na direita. Os comandados de Joachim Low ainda pressionaram no final do primeiro tempo, mas é Xavi quem tem a última oportunidade, após receber passe aos 44 minutos e demorar demais para tentar bater.

Após o intervalo, os alemães chegaram a pressionar mais, mas ainda sofriam com a velocidade da Espanha e com o bom entendimento da dupla Xavi-Iniesta. Tanto que, aos nove minutos, o primeiro lançou Torres de novo na direita, em um replay do primeiro gol. Desta vez, porém, Lehmann saiu nos pés do espanhol e evitou o gol. Sem conseguirem entrar nas área, os alemães ainda vacilaram na defesa, e quase viram Sérgio Ramos ampliar de cabeça aos 22 minutos, após cobrança de falta em que o lateral entrou sozinho na área para cabecear. De novo, parou no goleiro.

Iniesta, por sua vez, conseguiu colocar uma bola na trave no minuto seguinte, após passe na cobrança de escanteio e com um chute que desviou em Torsten Frings. A Alemanha não conseguia reagir em campo, e ainda quase viu Marcos Senna ampliar aos 36 minuos – no entanto, o brasileiro não conseguiu alcançar o cruzamento rasteiro pela esquerda. Vitoriosa, os ibéricos tocaram bola no ataque, apenas esperando o apito final do árbitro Roberto Rosetti. Ele veio, aos 47 minutos, e encerrou o longo jejum da Fúria.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo