iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

20/06 - 17:04

Luis Fabiano e Grafite “batem cabeça” sobre jejum do ataque
A marca negativa alcançada pelo ataque da seleção brasileira após o jogo contra a Argentina, quando completou 298 minutos sem marcar um único gol (três jogos completos e 28 minutos do amistoso contra o Canadá) segue repercutindo dois dias após o encontro do Mineirão. Nesta sexta-feira, depois de participarem de um evento no estádio do Pacaembu ao lado de Kaká, Fred e outros atletas, os atacantes Luis Fabiano, do Sevilla, e Grafite, do Wolfsburg, foram abordados sobre o assunto.

Gazeta Esportiva

E bateram cabeça ao tentar justificar os motivos da má fase.

“Acho que é uma coisa natural, pois o Brasil não está em uma fase legal e encontrando dificuldades nos jogos. O time não está criando muito e, sem muitas chances, fica mais difícil marcar”, opinou Luis Fabiano, que participou das três partidas de jejum do Brasil, contra Venezuela, Paraguai e Argentina.

Já Grafite, que vem fazendo muitos gols no Wolfsburg, da Alemanha, discordou do ex-companheiro de São Paulo. Para o jogador, que participou de um amistoso da seleção brasileira contra a Guatemala, em 2005, as oportunidades de gol têm surgido, mas não são aproveitadas.

“O Brasil vem criando e, contra a Argentina, poderia ter feito um ou dois gols, mas os jogadores que estão lá têm qualidade e irão reverter esse momento difícil logo”, apostou o ex-jogador do Tricolor.

A dupla só mostrou entrosamento quando questionada sobre o motivo do longo jejum, o maior desde 2001, na época de transição do comando entre Leão e Luis Felipe Scolari (derrotas para Austrália, Uruguai e México). Para Grafite e Luis Fabiano, o problema é a forte marcação dos adversários.

“Temos que ressaltar a qualidade dos adversários da seleção”, lembrou Grafite. “Os adversários estão dificultando bastante, não deixando a gente jogar, marcando melhor e não dando espaço, mas o grupo está fechado e buscando melhorar”, completou Luis Fabiano.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo