iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

19/06 - 20:25

Acerto tem data indefinida, mas Verdão confia e descarta revolta
O atraso nos salários dos palmeirenses ainda é assunto na Academia. A informação é de que até mesmo os vencimentos de Wanderley Luxemburgo e sua comissão técnica não foram pagos no dia 10, data marcada para os depósitos.

Gazeta Esportiva

A palavra de ordem, contudo, é de confiança na diretoria.

Tanto o técnico como seus comandados não duvidam que suas contas aumentarão na terça-feira, prazo dado pela diretoria para o acerto. O atraso, entretanto, pode aumentar. O diretor de futebol, Genaro Marino, havia dito à GE.Net que o pagamento poderia ocorrer até mesmo nesta sexta-feira, mas o gerente de futebol, Toninho Cecílio, admite: espera pode ser maior.

“Minha intenção é pagar os atrasados na terça, mas é capaz que eu não tenha dinheiro. Então, pode ser quarta, quinta, sexta. Posso até conversar com o elenco para fixar uma nova data”, informou o dirigente, acreditando, contudo, que não haverá problema.

“Conversei com eles no vestiário quando atrasou dois dias e não teve problema nenhum. Foi um problema no departamento financeiro. E nossa relação com todos é de confiança. Se alguém estiver descontente, é só ir na minha sala conversar. Mas repito: até agora, está tudo muito normal”, frisou.

E o elenco confirma o relato do cartola. “Esse atraso não atrapalho em nada. Até porque no futebol atrasar dez dias não é atraso. É normal. Estou aqui há seis meses e é a primeira vez que acontece. Foi um erro, mas foi conversado que vai ser pago na semana que vem, então tudo bem. Seria mais chato se não viessem dar explicação. Mas a diretoria é competente”, elogiou Elder Granja.

Também com seus vencimentos atrasados, Wanderley Luxemburgo adota o mesmo tom de seus comandados. Apesar de não esconder sua indignação a quem não paga em dia, o técnico assegura que confia plenamente em seus diretores. Inclusive que tudo estará acertado na terça-feira.

“Sou uma pessoa que não aceita salário atrasado, e a história do Palmeiras não é essa. Não está certo: você trabalhou, tem que receber. Mas foi tudo conversado com transparência, em função da credibilidade temos que dar um voto de confiança para quem já mostrou competência. Está tudo em um caminho natural, entres aspas, porque natural seria se tivesse em dia”, comentou, sempre enaltecendo o trabalho de seus superiores.

“Não quero discutir a política do clube, porque sou profissional do futebol. Cabe à imprensa descobrir de onde vem esse desequilíbrio. Essa diretoria está buscando equilibrar as finanças. No ano passado, atrasou seis vezes, e agora é a primeira vez em seis meses. Está em um fluxo que está começando a ter resultados”, avaliou.

Exaltações à parte, Luxa, que chegou a falar em “guerra” se salário não estiver em dia na terça-feira, prefere não antecipar qual seria a reação com um novo atraso. “Vamos deixar as coisas irem. Se eu for trabalhar com “se”, começam a fazer fumaça a partir de agora”, finalizou, pedindo para que a questão fosse feita novamente na terça-feira.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo