iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

18/06 - 16:48

Governo quer reduzir saída de jogadores de futebol brasileiros para o exterior

A principal medida para impedir o êxodo precoce seria permitir que somente a partir dos 21 anos o jogador possa se transferir para o exterior

Agência Brasil

BRASÍLIA - O governo federal quer reduzir a saída de jogadores de futebol brasileiros para o exterior – o que tem acontecido não apenas em larga escala, mas cada vez mais cedo na vida profissional do atleta. O ministro do Esporte, Orlando Silva, disse nesta quarta que já há proposta brasileira para modificar a legislação da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

Atualmente, o órgão prevê que o jogador, dos 12 aos 21 anos, se encontra em formação para aperfeiçoamento técnico. Mas, segundo Silva, a mesma legislação permite que as transferências internacionais aconteçam a partir dos 18 anos.

“Temos defendido uma alteração, exigindo que a transferência só possa se dar a partir dos 21 anos. A proposta foi muito bem recebida e pretendemos, nos próximos meses, aprofundar a discussão para que os atletas possam estar mais tempo em seus países.”

Para o ministro, a saída precoce de atletas brasileiros está ligada também à existência de uma "economia do futebol" mundial mais competitiva. Segundo ele, o Brasil é, atualmente, uma das principais economias do mundo mas “o mesmo não pode ser dito” em relação à economia do futebol brasileiro.


“Perdemos atletas para países como Finlândia, Turquia, Grécia, que possuem uma economia com desenvolvimento menor. Nossos torneios são menos competitivos”. Silva ressalta que uma melhoria nessa área vai exigir, sobretudo dos clubes, maior organização, planejamento e gestões administrativas mais profissionais.

“Ganha o futebol do Brasil e ganha o futebol mundial, além dos atletas, que poderão sair para o mundo com um pouco mais de experiência e de estabilidade, mesmo emocional, o que vai repercutir no seu rendimento futuro.”

Leia mais sobre: transferência de atletas para o exterior


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo