iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

17/06 - 11:17

Muricy alerta Dunga: “Muita gente está de olho nessa vaga”
Muricy Ramalho se solidarizou a Dunga nesta terça-feira. Se Wanderley Luxemburgo fala constantemente sobre o seu desejo de retornar à seleção brasileira, o técnico do São Paulo prefere não se candidatar ao posto.

Gazeta Esportiva

O emprego de Dunga, ameaçado após as derrotas para Venezuela, em amistoso, e Paraguai, pelas Eliminatórias para Copa do Mundo, desperta inveja em seus colegas de profissão. É o que diz Muricy. “Muita gente está de olho nessa vaga. Mas não sou desse tipo, que força a barra. Chego por méritos”, diferenciou-se.

Embora Muricy Ramalho não tenha nomeado a “muita gente” à que se referiu, o recado vale para Luxemburgo. O treinador do Palmeiras, que divulgou recentemente interesse da seleção mexicana e do Lyon em sua contratação, sonha com o cargo de Dunga. Classifica-se como postulante a técnico da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2014.

“Não sei se isso é um lobby”, evitou conflito Muricy Ramalho, que já criticou Luxemburgo em 2008. Semanas antes de trocar conselhos com Vágner Benazzi, técnico da Portuguesa, o são-paulino reprovou conversa entre o palmeirense e Renato Gaúcho, do Fluminense, que eliminou sua equipe da Copa Libertadores.

“O Luxemburgo tem esse sonho de voltar à seleção. Talvez seja pelo modo como saiu da outra vez. Agora, ele diz que se preparou para voltar, assim como fiz no São Paulo”, comparou. Defendendo-se de acusações na CPI do Futebol à época, Luxemburgo deixou o comando da seleção brasileira após sua equipe fracassar nos Jogos Olímpicos de 2000.

Muricy Ramalho se considera menos ambicioso que o técnico do Palmeiras. “Não sou assim. Sonho é uma coisa, loucura é outra. Não tenho essa loucura de dirigir a seleção e nem perco o sono com isso. Estou muito contente no São Paulo”, avisou.

Apesar do discurso, Muricy parou para pensar antes de responder sobre uma eventual proposta para substituir Dunga. “Fui pego de surpresa com essa pergunta. Já tive convites de seleções de fora e não aceitei. Não sei qual seria minha reação se fosse o Brasil, uma coisa única na carreira de um treinador. Defender o seu país é diferente”, reconheceu.

Por enquanto, porém, a realidade de Muricy Ramalho é o São Paulo. E ele está satisfeito no Morumbi. “Todos os técnicos precisam falar pouco em relação ao Dunga, porque ele está passando por um momento difícil pela primeira vez. Precisamos dar apoio, e não apoio falso. Os números dele são ótimos. Deixem o cara trabalhar”, defendeu.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo