Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fifa investiga mais 10 dirigentes caribenhos por suborno

Cartolas são acusados e envolvimento em caso de suposta venda de votos ao ex-candidato à presidência da entidade, Mohamed bin Hammam

AE |

selo

O escândalo de suborno na eleição presidencial da Fifa ganhou um novo capítulo nesta quarta-feira. A entidade anunciou a abertura de uma investigação contra mais dez dirigentes do futebol caribenho pela suposta venda de votos ao ex-candidato Mohamed bin Hammam.

A Fifa disse que deseja colher depoimentos de dez dirigentes de seis países, como parte de uma investigação conduzida pela agência de Louis Freeh, ex-diretor do FBI. "Os casos serão submetidos ao Comitê de Ética da Fifa na sua próxima reunião em meados de novembro", disse o órgão em um comunicado.

Patrick John, ex-primeiro-ministro de Dominica, está entre os suspeitos. A Fifa também está investigando Oliver Camps, secretário-geral da Federação de Futebol de Trinidad e Tobago, um aliado de Jack Warner, que renunciou ao cargo de vice-presidente da Fifa. 

Um dos acusados é membro da federação de Bahamas, que foi o denunciante original que alertou a Fifa sobre os pagamentos em dinheiro de US$ 40 mil que estavam sendo oferecidos por Bin Hammam durante sua visita a Trinidad, em maio. Lionel Haven era o secretário-geral da Federação de Futebol de Bahamas quando Warner convocou os membros da União Caribenha de Futebol para uma reunião de dois dias, com a presença do candidato catariano.

Raymond Guishard, Damien Hughes (ambos de Anguilla), Everton Gonçalves, Derrick Gordon (ambos de Antígua e Barbuda), Philippe Branco (Dominica), Vincent Cassell e Tandica Hughes (ambos de Montserrat) são os outros dirigentes sob investigação.

Bin Hammam nega ter subornado dirigentes e apelou à Corte Arbitral do Esporte contra o seu banimento por toda vida de atividades ligadas ao futebol. Warner renunciou ao seu cargos após 28 anos na Fifa para evitar uma investigação.

A Fifa já suspendeu Colin Klass e Horace Burrell por 26 meses e seis meses, respectivamente. Três dirigentes eleitos da União Caribenha de Futebol e outros dois também foram suspensos entre um e 18 meses. A Fifa não deu as razões das punições nem detalhou os dez novos casos. De acordo com o código de ética da Fifa, os dirigentes não estão autorizados a aceitar presentes em dinheiro e devem denunciar suspeitas de corrupção.

Após o surgimento do escândalo em maio, Bin Hammam retirou sua candidatura da eleição, três dias antes da votação na Fifa. O presidente Joseph Blatter concorreu sem oposição e garantiu um quarto mandato de quatro anos, com o apoio de 186 membros da Fifa, incluindo a maioria dos votos da ilha do Caribe. O suíço prometeu combater a corrupção para limpar o futebol e recuperar a imagem da Fifa.

Leia tudo sobre: fifacorrupçãofutebol mundial

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG