Publicidade
Publicidade - Super banner
Copa América
enhanced by Google
 

Ordem na seleção é proteger jovens de intimidação na Copa América

Provocação de técnico da Venezuela faz com que mais velhos assumam responsabilidade de “peitar” rivais pelos garotos

Marcel Rizzo e Paulo Passos, enviados iG a La Plata |

Intimidação com os jovens talentos brasileiros. O jogo contra a Venezuela , em La Plata, pela primeira rodada da Copa América , mostrou o que espera a seleção brasileira na competição sul-americana e fez com que a comissão técnica pense em elaborar um plano para proteger Paulo Henrique Ganso (21 anos), Alexandre Pato (21), Lucas (18) e, principalmente, Neymar (19). O atacante do Santos foi intimidado pelo técnico da Venezuela , César Farias, no intervalo da partida, o que levou jogadores e comissões técnicas a brigarem com socos e tapas no túnel de acesso ao vestiário.

null


VEJA TAMBÉM: Com Neymar cobiçado, presidente do Barça se aproxima da seleção


“Nunca vi isso em toda minha vida. Já vi jogador intimidando, mas treinador foi a primeira vez. Por sorte o Neymar é um garoto bem orientado, com cabeça boa, e não vai se abalar com coisas assim”, disse ao iG seu empresário, Wagner Ribeiro. Apenas uma TV, a "Meridiano", da Venezuela, gravou imagens do bate-boca e da confusão, mas decidiu não divulgá-las por enquanto por achá-las forte demais. Um torcedor na arquibancada, porém, gravou parte da confusão e postou no Youtube.

Mano Menezes defendeu Neymar e encarou Farias, que disse ter sido agredido por trás por alguém que não identificou. Avisos já tinham sido dados aos garotos de que a pouca idade serviria para que os rivais tentassem pará-los não só na bola, mas também na pancada e com palavras. O capitão Lúcio , o mais experiente do grupo aos 33 anos, citou isso no papo que teve com o grupo antes do empate sem gol contra a Venezuela. Todo o tipo de intimidação, como “mão boba”, palavras obscenas e ameaças de agressão foram explicadas aos atletas.

“Sabíamos que teria intimidação porque no futebol sul-americano é assim que funciona”, disse Ganso, que jogou a final da Libertadores pelo Santos contra o Peñarol, do Uruguai, jogo que teve briga generalizada ao apito final com os santistas campeões.

AP
Venezuelanos pegam no pé de Ganso. Jovem do Santos não quis saber de briga na partida da seleção
O objetivo de Mano Menezes é evitar acanhamento com provocações. Na entrevista que concedeu após a partida, o treinador disse não acreditar que a queda de rendimento do time (e principalmente de Neymar, Ganso e Pato) do primeiro para o segundo tempo tenha sido por causa das provocações de Farias, que reclamou de lance em que o brasileiro deu prosseguimento a um lance quando um venezuelano estava caído, machucado.

O que será feito é evitar que os jovens tenham contato com os árbitros ou com atletas do time adversário. Qualquer confusão será rechaçada e encabeçada pelos mais velhos, como Lúcio, Thiago Silva , Júlio César e até Robinho . Esta seria, inclusive, um dos motivos de Mano evitar sacar o camisa 7 e colocar em campo o garoto Lucas. Seria mais um jovem para ser intimidado.

A medida da idade do time titular da seleção é baixa, pouco mais de 25 anos. Como comparativo, os argentinos, que também tropeçaram na estreia ao empatar por 1 a 1 com a Bolívia têm um time com 28 anos em média. O Brasil volta a campo no próximo sábado pelo grupo B, contra o Paraguai, na cidade de Córdoba (16h de Brasília).

Leia tudo sobre: Seleção BrasileiraNeymarCopa América 2011GansoPato

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG