Depois de brilhar no Jogo das Estrelas, Jordan Burger busca em Mogi das Cruzes apagar más atuações na temporada pelo Paulistano

Jordan Burger brilhou no Jogo das Estrelas , disputado em janeiro último na cidade de Franca. O ala, então atleta do Paulistano, levantou o público presente ao ginásio Pedrocão com suas jogadas criativas e foi o vencedor do concurso de enterradas. Momento que ele afirma ter sido “o mais feliz da temporada”.

Luiz Pires/Divulgação
Jordan Burger em ação pelo Paulistano durante a temporada 2010/11 do NBB
Quatro meses se passaram e o jogador encontra-se longe dos holofotes do basquete nacional. Jordan disputa o Torneio Novo Milênio, uma espécie de segunda divisão do Campeonato Paulista, e atua pelo time de Mogi das Cruzes. Chegou à equipe após a eliminação do Paulistano nas oitavas de final do NBB (Novo Basquete Brasil) diante do Bauru .

O objetivo de Jordan em Mogi das Cruzes é resgatar o melhor da sua forma. As primeiras atuações na temporada 2010/11 do NBB foram boas, mas o rendimento caiu bastante na reta final da competição.

Ao longo das 15 rodadas do primeiro turno, Jordan registrou 11,6 pontos e 5,1 rebotes por jogo. A partir da segunda metade do campeonato, justamente depois do título no concurso de enterradas, viu seu espaço na rotação do Paulistano ficar cada vez mais reduzido. As médias ao término do NBB caíram para 7,2 pontos e 3,4 rebotes por partida.

“Meu primeiro turno foi muito bom, claro que poderia ter sido melhor”, analisa Jordan. “No segundo, não sei o que houve. Comecei a jogar menos e minhas médias caíram muito. Mas dedicação nunca faltou”.

Jordan dispensa as férias que a eliminação precoce do Paulistano na liga nacional proporcionaria para trabalhar no seu desenvolvimento e tentar aparecer novamente com destaque no basquete brasileiro. O jovem atleta, de apenas 20 anos de idade, deseja evoluir para realizar os planos que traçou para a carreira. Seleção brasileira e NBA são os itens que aparecem no topo da lista de anseios profissionais.

Uma destas metas quase foi atingida em 2010, quando foi um dos pré-convocados do treinador Rubén Magnano para o período de treinos preparatórios para o Mundial da Turquia. Não conseguiu um lugar entre os 12 atletas que compuseram o elenco do Brasil, mas avalia a experiência de maneira positiva.

“O trabalho com o Magnano foi muito bom”, comenta Jordan. “Ele gostou de mim, achou meu chute de três pontos bastante confiável. Agora, tenho que continuar trabalhando para ver se ele volta a se lembrar de mim um dia. E eu quero que ele lembre”.

A carreira de Jordan está apenas no início. Os planos, audaciosos, já foram arquitetados. Resta agora lutar para colocá-los em prática. A receita para isso? “Dedicação e treino forte, essas são as palavras de ordem”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.