Publicidade
Publicidade - Super banner
Basquete
enhanced by Google
 

New York tem sucesso nos tiros de longa distância e bate o Chicago

Knicks acertou 16 arremessos de três pontos durante a partida e chegou à segunda vitória em quatro partidas

Luís Araújo, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237861946217&_c_=MiGComponente_C

O New York Knicks visitou o Chicago Bulls nesta quinta-feira e venceu por 120 a 112. O resultado deixa as duas equipes com campanha idêntica na temporada: duas vitórias e duas derrotas.

A grande arma da equipe visitante para chegar à vitória foi o excelente desempenho nos tiros de três pontos. Foram convertidos 16 dos 24 arremessos de longa distância tentados ao longo do confronto, o que resulta num aproveitamento de exatos 66,7%.

O Chicago chega a uma média de 103,7 pontos sofridos por jogo nesse início de temporada. O número mostra que o técnico Tom Thibodeau, contratado com a missão de acertar a defesa da equipe, ainda está longe de cumprir a sua meta.

Getty Images
Raymond Felton recebe a marcação de Joakim Noah e Derrick Rose durante o jogo

Toney Douglas foi o cestinha do jogo e liderou o New York ao triunfo. O armador saiu do banco e acertou cinco arremessos de três, que resultaram em 30 pontos. O armador titular, Raymond Felton, também teve ótima apresentação: registrou um double-double ao fazer 20 pontos e dez rebotes.

A principal estrela do Knicks, no entanto, teve atuação bastante discreta: o ala-pivô Amaré Stoudemire errou 16 dos 21 arremessos que tentou e marcou somente 14 pontos. Pegou ainda oito rebotes, mas foi responsável por oito dos 17 desperdícios de posse de bola da equipe.

Pelo lado do Chicago, quem brilhou foi, mais uma vez, o armador Derrick Rose: 24 pontos e 14 assistências. Outros dois jogadores que atingiram os dois dígitos em dois fundamentos foram o pivô Joakim Noah (12 pontos e 13 rebotes) e o ala-pivô Taj Gibson (18 pontos e dez rebotes).

Os dois times fizeram um primeiro quarto muito equilibrado, marcado pela fragilidade das duas defesas, que impunham pouca resistência aos ataques adversários. Uma cesta de três pontos de Wilson Chandler no último lance do primeiro quarto deu ao Knicks quatro pontos de liderança (34 a 30).

Os visitantes seguiam com a pontaria bem calibrada e conseguiram disparar no marcador durante o segundo período. Chegaram ao intervalo com incríveis 70 pontos anotados sobre a defesa do Chicago e foram para os vestiários vencendo por 18 pontos. E a distância só não era maior ao término da primeira metade porque Luol Deng acertou um tiro de longa distância nos últimos segundos.

Rose parecia ter voltado para a segunda metade determinado a reverter a situação do Bulls. O armador anotou 15 pontos ao longo do terceiro quarto e ajudou a equipe a baixar a desvantagem para dez pontos (93 a 83) no encerramento do período.

A torcida que compareceu ao United Center tinha esperanças de assistir a mais uma virada do time da casa no último quarto, mas acabou vendo o Knicks voltar a se distanciar no marcador. Além disso, irritou-se com o fato de Rose ter ficado no banco de reservas durante os últimos nove minutos da partida.

Mesmo com o todo o ginásio pedindo a volta do principal jogador do Bulls, o técnico Tom Thibodeau não colocou o atleta novamente em quadra. Sem Rose, o time até chegou a cortar a diferença do rival para um dígito, mas não conseguiu ameaçar o resultado.

Leia tudo sobre: basquete - nba

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG