Ex-jogador diz que não pensa em largar o cargo de treinador universitário para assumir a administração da franquia nova-iorquina

O New York Knicks está em busca de um novo presidente de operações para a próxima temporada, depois de anunciar que Donnie Walsh não permanecerá no cargo . Se for procurado para assumir a função a qual exerceu no início da década, Isiah Thomas disse que vai recusar a proposta.

“Não tenho vontade alguma de voltar a ser o presidente do Knicks”, declarou Thomas. “Não sou candidato a substituir Donnie. Gosto do emprego que tenho agora, e não quero passar novamente pelos danos que o trabalho no Knicks causaram em mim, na minha esposa e nos meus filhos”.

Atualmente, Thomas é o técnico no basquete universitário norte-americano, no comando de Florida University. Ele já exerceu o cargo de presidente do Knicks em 2003 e não teve sucesso. Quase três anos após a sua contratação, quando a temporada 2005/06 chegou ao fim, a equipe tinha a folha salarial mais cara da liga e a segunda pior campanha.

A amizade com o proprietário da franquia, James Dolan, quase o levou a trabalhar como consultor do New York em 2010. Mas a NBA não permitiu, alegando que o cargo de treinador universitário caracterizava conflito de interesses de Thomas.

A possibilidade de largar o emprego para voltar a administrar o Knicks está descartada por Thomas. A vontade de ajudar o time, não.

“Tudo o que digo é que eu e Dolan somos grandes amigos”, afirmou Thomas. “Sempre que ele precisar de minha ajuda, eu estarei disponível”.

    Leia tudo sobre: nba
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.