Publicidade
Publicidade - Super banner
Basquete
enhanced by Google
 

Medalhistas acreditam no retorno do Brasil às Olimpíadas em 2012

Algunos dos atletas que subiram no pódio olímpico há 50 anos apostam na classificação da seleção para Londres

Luís Araújo, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882754623&_c_=MiGComponente_C

A comemoração dos 50 anos da medalha de bronze da seleção brasileira em Roma faz aparecer o questionamento de quando o basquete nacional voltará a ser representado nas Olimpíadas. Já se passaram 16 anos desde Atlanta, que foi a última participação. Mas alguns dos heróis da conquista de 1960 acreditam que o período sem disputar a competição pode acabar em 2012.

Acho que o Brasil se classifica com uma das duas vagas disponíveis para Londres, disse Édson Bispo. Não vejo nenhuma outra equipe com condição de tirar essa vaga do Brasil.

O ex-pivô não só crava o Brasil como uma das duas seleções sul-americanas qualificadas para os Jogos de 2012 como acredita que o time pode fazer bonito: Temos condições de fazer boas Olimpíadas, e até mesmo de pegar um lugar no pódio.

Getty Images
Brasil caiu nas oitavas de final no Mundial deste ano, diante da Argentina

Wlamir Marques tem opinião bastante parecida. Para ele, a seleção deu sinais de evolução durante o Mundial da Turquia deste ano e tem tudo para assegurar o seu passaporte às Olimpíadas.

Esse último Mundial provou que temos qualidade. Podemos voltar a participar dos Jogos Olímpicos. O que precisa é reunir todo mundo. Temos total capacidade de ganhar essa vaga para Londres no Pré-Olímpico de 2011, apesar de achar que uma vaga já é da Argentina.

Já Amaury Pasos adota um discurso mais cauteloso: Hoje, estamos muito longe da elite, avalia. Não conseguimos formar boas equipes, apesar de termos alguns talentos individuais.

De fato, talento não é o que Amaury enxerga como principal problema para o Brasil voltar a conseguir resultados de expressão internacionalmente: É necessário que os jogadores de hoje saibam da responsabilidade que têm e de que são privilegiados por poderem representar a seleção brasileira.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG