Ala encara com naturalidade pedidos de dispensa de Nenê e Leandrinho e acredita que Brasil é favorito a uma das vagas olímpicas

O ala Marquinhos Vieira vestiu a camisa do New Orleans Hornets entre as temporadas de 2006 e 2008. Convocado para defender a seleção brasileira no Pré-Olímpico da Argentina , o jogador do Pinheiros defende os astros da NBA que pediram dispensa do torneio e acha que a performance alcançada no Mundial da Turquia-2010 é suficiente para garantir uma das duas vagas que o campeonato oferece nos Jogos de Londres-2012.

Marquinhos Vieira, ala da seleção brasileira
Divulgação
Marquinhos Vieira, ala da seleção brasileira
"A ausência dos Estados Unidos (os campeões mundiais já estão classificados) no Pré-Olímpico é muito positiva, porque, teoricamente, as seleções mais fortes são eles e a Argentina", afirmou. "Sem desmerecer países como Porto Rico e República Dominicana, se jogarmos o mesmo basquete do Mundial temos grandes chances de conseguir essa vaga".

Sob o comando do técnico Rubén Magnano, vice campeão mundial em 2002 e campeão olímpico em 2004 com a seleção argentina, o Brasil caiu nas oitavas de final do Mundial da Turquia-2010 com uma derrota por 93 a 89 justamente diante dos arquirrivais sul-americanos.

Dos quatro brasileiros da NBA, Tiago Splitter (San Antonio Spurs) será o único no Pré-Olímpico, com início previsto para o próximo dia 30 de agosto. Enquanto Anderson Varejão (Cleveland Cavaliers) está lesionado , Nenê ( agente livre ) e Leandrinho (Toronto Raptors) se desligaram por motivos particulares.

"Essa fase do meio do ano é muito difícil", disse Marquinhos. "Teoricamente, é o período de férias. Nessa época, alguns times gostam que seus jogadores fiquem treinando nos seus centros (atualmente, a NBA está em greve). Eu encaro com naturalidade (os pedidos de dispensa), porque cada um sabe os seus problemas com o time e de contrato".

Apesar de evitar críticas aos compatriotas, o ala reitera sua posição de servir à seleção. "No meu primeiro ano na NBA, eu não joguei muito e precisava jogar, queria jogar pelo Brasil", lembrou. "Eu, particularmente, sempre vou estar disponível para a seleção. Acho que eles também, embora tenham tido algum problema".

De acordo com Marquinhos, a postura de Nenê e Leandrinho não é assunto entre os atletas que estão concentrados em São Paulo. "Como estamos treinando e fazendo testes, já chegamos no hotel meio quebrados e não temos muito tempo de conversar", disse.

Na Argentina, Emanuel Ginóbili (San Antonio Spurs), Luís Scola (Houston Rockets), Carlos Delfino (Milwaukee Bucks) e Andrés Nocioni (Philadelphia 76ers) serão vetados apenas caso o seguro necessário não seja estabelecido . Até mesmo Fabrício Oberto, que chegou a se aposentar por problemas cardíacos , voltará para o Pré-Olímpico.

Na visão de Marquinhos, porém, os argentinos não podem ser considerados mais dedicados à seleção que os brasileiros. "Cada caso é um caso", afirmou. "Ouvi dizer que o Leandrinho tem problemas de contrato e uma lesão no pulso. Já o Nenê vai ter um filho. Não posso dizer que os argentinos gostam mais de jogar pela seleção do que o Leandrinho e o Nenê".

Marquinhos aprova Larry Taylor

Companheiro de clube do norte-americano Shamell, que há anos tenta se naturalizar para defender o Brasil, Marquinhos aprovou a convocação do armador Larry Taylor , do Bauru, ainda em meio a seu processo de naturalização.

"Não tenho nada contra a convocação do Taylor", disse. "Acompanhei bastante ele nesses três anos em que está aqui no Brasil. Fisicamente, é um jogador que dispensa comentários. Taticamente, também. Se for para ajudar o Brasil, por que não?".

Para o ala, a Argentina, embalada pelos astros da NBA, é a mais cotada no Pré-Olímpico . "É uma geração que, desde 2004, conquista praticamente tudo que disputa", afirmou. "Além disso, eles ainda vão jogar em casa. São os grandes favoritos".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.