Ansioso com a oportunidade de jogar em casa o Pré-Olímpico, ala do Milwaukee Bucks quer que a seleção agrade os torcedores

A seleção da Argentina começa no próximo dia 29 os treinos preparatórios para o Pré-Olímpico das Américas, competição a qual será sede. O ala Carlos Delfino não vê a hora de iniciar os trabalhos com a seleção e não esconde a animação com o fato de poder disputar o torneio no seu país, diante do torcedor local.

“Jogar na Argentina nos motiva, mas nós também estamos ansiosos para que tudo dê certo”, disse Delfino. “A classificação para as Olimpíadas de Londres não é a única coisa que nos interessa. Queremos ganhar o título e fazer com que o público argentino tenha gosto em nos ver jogar”.

Defender a seleção em uma competição internacional realizada em solo argentino será algo inédito para Delfino. Manu Ginobili, Luis Scola e Pepe Sanchez, Andrés Nocioni, Fabrício Oberto e Leo Gutiérrez tiveram essa oportunidade há dez anos, quando o Pré-Olímpico ocorreu no país.

“Eu era garoto em 2001, estava na seleção Sub 21”, disse Delfino. “Nunca tive a chance de passar por uma experiência como essa”.

Delfino comentou ainda o retorno de Oberto à seleção. O veterano pivô havia anunciado a aposentadoria em novembro de 2010 por conta de problemas cardíacos , mas voltou a treinar neste ano para poder disputar o Pré-Olímpico.

“Ele é um grande irmão para todos, é um dos pilares do grupo”, afirmou Delfino. “Suas palavras são sempre necessárias em tempos difíceis. Quando ele parar de jogar, sentiremos muito a sua falta. Mas antes disso, temos o desafio de Mar del Plata pela frente”.

A Argentina está no Grupo B do Pré-Olímpico. Na primeira fase, vai enfrentar Panamá, Paraguai, Porto Rico e Uruguai. Mas para contar com Delfino e com os demais ateltas que atuam na NBA, a federação argentina precisa acertar o seguro destes jogadores , que ficou mais caro desde que o locaute foi instalado na liga norte-americana.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.