Derek Fisher foi acusado por outros atletas de ceder às pressões do comissário da NBA, David Stern

As disputas internas começaram a surgir entre as partes envolvidas no conflito trabalhista que afeta a NBA: desconfianças rondam a lealdade do presidente do sindicato de jogadores, Derek Fisher, enquanto Micky Arison, dono do Miami Heat, foi multado em US$ 500 mil.

O papel de Fisher nas negociações foi questionado por alguns dos jogadores da linha dura. Eles acham que seu representante começou a ceder às pressões do comissário da NBA, David Stern, quanto à repartição da renda dos ingressos e quanto ao teto salarial.

Diante desses rumores, o próprio Fisher se viu obrigado a enviar uma carta a todos os membros do sindicato para desmentir qualquer tipo de acordo feito pelas costas dos jogadores para acabar com o impasse, que afeta a temporada da NBA desde 1º de julho.

O armador do Los Angeles Lakers também nega divergências com o diretor-executivo do sindicato dos jogadores, Billy Hunter, que se opõe abertamente à formula 50%-50% na divisão da renda dos ingressos.

"Normalmente, não daria crédito a informações absurdas com um comentário, mas antes que vão mais longe, deixe-me dizer a cada um de vocês que minha lealdade está e sempre estará com os jogadores", respondeu Fisher em carta enviada a alguns meios de comunicação e publicada pelo site "nba.com".

Já os proprietários de equipes consideram que o conflito está em um momento crítico e não querem fazer concessões ao sindicato de jogadores durante as negociações do novo contrato coletivo de trabalho.

A NBA decidiu nesta terça-feira multar Micky Arison em US$ 500 mil, três dias após o dono do Miami Heat fazer declarações sobre o impasse pelo microblog twitter. A liga normalmente proíbe os proprietários de falar publicamente sobre as questões trabalhistas.

    Leia tudo sobre: nba
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.