Primeiro selecionado do ''NBA Draft'' de 2011, armador da Universidade de Duke diz estar vivendo experiência única e grande honra

O armador Kyrie Irving, da Universidade de Duke, viveu uma noite inesquecível nesta quinta-feira. O atleta de 19 anos entrou para o seleto grupo dos selecionados na primeira escolha do “NBA Draft” . E, apesar de não ter recebido uma promessa prévia do Cleveland Cavaliers, ele tinha certeza de que seria a opção do time.

Getty Images
Kyrie Irving, primeira escolha do recrutamento de 2011
“Eu não tinha dúvidas de que seria o número 1”, revelou o jogador. “Eu estava esperando que selecionassem quem achavam ser a escolha certa. É um sentimento especial saber que meus amigos e família estão juntos aqui, uma lembrança que eu vou guardar pelo resto da minha vida”.

Durante o período que antecedeu o recrutamento, a confiança de Irving era tanta que optou por só fazer treinos para o Cavaliers. Embora sempre tenha mostrado confiança de que seria o primeiro selecionado, nada pôde prepará-lo para a emoção que viveu após ter seu nome anunciado pelo comissário David Stern, presidente da liga.

“Honestamente, eu estou me segurando para não deixar minhas emoções saírem”, afirmou. “É uma experiência única na vida e uma grande honra ser selecionado, especialmente como número 1 sendo um armador”.

Por causa de uma lesão no pé, Irving perdeu boa parte da temporada universitária. Nos 11 jogos que disputou por Duke, porém, chamou a atenção dos recrutadores com médias de 17,5 pontos, 3,4 rebotes e 4,3 assistências.

O jovem acredita que trabalhar com o técnico Byron Scott, que treinou o veterano recém-campeão Jason Kidd e Chris Paul na carreira, ajudará sua adaptação ao jogo da NBA. “Ele fez a transição de Paul muito mais fácil e eu quero repetir sua jornada, liderando o ataque e jogando em velocidade”, disse o armador.

Irving chega ao Cavaliers como o primeiro selecionado com a escolha número 1 de um recrutamento desde LeBron James, que deixou a equipe em julho passado e virou uma pessoa odiada pela franquia e seus torcedores . No entanto, ele não se sente pressionado a substituir o lugar que o ala ocupava dentro e fora de quadra.

“Eu não estou sentindo muita pressão neste momento”, falou. “Na verdade, estou apenas ansioso para ir até lá e fazer a transição do meu jogo para a organização. Eu não estou pensando em substituir LeBron, apenas em ser Kyrie e contribuir para o Cavaliers tanto quanto puder”.


    Leia tudo sobre: NBA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.