Associação dos atletas fez alertas sobre o impasse na questão salarial nos últimos quatro anos

O locaute na NBA não é um problema recente para os jogadores. Os atletas da liga profissional de basquete norte-americano já estavam se preparando desde 2007 para o impasse na questão salarial e a possibilidade de ficar sem disputar o campeonato.

A reunião que aconteceu na última quinta-feira entre os dirigentes da NBA, os representantes das franquias e a associação dos jogadores não chegou a um acordo coletivo de trabalho. O impasse gerou uma série de incertezas sobre o futuro da liga. Entre elas, até a disputa do próximo campeonato.

Chris Paul em ação pelo New Orleans
Getty Images
Chris Paul em ação pelo New Orleans
Com as atividades suspensas, mesmo os jogadores com contratos garantidos não irão receber seus salários. Outros efeitos econômicos serão sentidos na falta de seguro de saúde, reabilitação após operações e exames.

"Nós estamos preparados para isso já há alguns anos", disse o armador Chris Paul do New Orleans Hornets em entrevista ao jornal norte-americano "Nola Local News" e complementou: "A associação (dos jogadores) vai fazer tudo possível. Todos nós já sabíamos dessa possibilidade".

Paul faz parte do grupo de atletas que possui contrato. O jogador receberia US$ 16,3 milhões pelo próximo ano. Contudo, os jogadores que tiveram seus vínculos encerrados no campeonato passado seguirão sem nada a receber e sem perspectiva de emprego.

É o caso de Jason Smith, companheiro de Paul no New Orleans. O jogador revelou que tem sido avisado sobre a possibilidade de locaute desde 2007: "Eu tinha que estar preparado financeiramente", disse. "Eu acho que um monte de gente na NBA já estava preparada para isso".

Michael Beasley, jogador do Minnesota Timberwolves, também já estava se preparando para o locaute. O atleta disse que foi informado sobre a possiblidade da greve em 2008 quando ainda atuava pelo Miami Heat.

"Eu acho que todo mundo tem que se preparar não apenas para o bloqueio, mas para a vida toda após o basquete", disse. "Eu estou preparado. Não vou precisar pedir dinheiro emprestado para ninguém".

Beasley revelou que considera a possibilidade de jogar fora dos EUA se o bloqueio persistir. O jogador do Minnesota disse que "outros atletas estão pensando a mesma coisa, mas não espera chegar a esse ponto".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.