Publicidade
Publicidade - Super banner
Basquete
enhanced by Google
 

Hortência diz que veredicto sobre Carlos Colinas sai até janeiro

Diretora da CBB diz que ninguém pode ter pressa nesse momento. Segundo ela, as coisas têm que ser pensadas

Bruno Pongas, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237861603972&_c_=MiGComponente_C

O fiasco brasileiro no Mundial da República Tcheca colocou a cabeça do técnico Carlos Colinas a prêmio. Com o contrato encerrado, o técnico espanhol segue com seu futuro indefinido. No que depender da diretora Hortência Marcari, no entanto, Colinas ainda tomará um longo chá de cadeira.

Acho difícil entender por que sou pressionada para dar essa resposta logo, qual a importância disso agora ou em janeiro?, questionou. A verdade é que não muda nada. Há coisas importantes e coisas urgentes. É claro que a equipe adulta é importante, mas não é urgente no momento.

Para Carlos Nunes, presidente da CBB, o importante agora é renovar. Independente do técnico, ele tem total confiança no trabalho de Hortência.

Todos nós temos certeza que é hora de renovar, mas infelizmente faltam peças, opinou. Culpa do trabalho que foi feito lá atrás. No Mundial, por exemplo, nossa equipe tinha a maior média de idade do torneio. Renovar é preciso, nem tem dúvida, mas esse é um desafio para a Rainha Hortência.

CBB
Carlos Colinas, treinador do selecionado brasileira, terá seu futuro definido em janeiro

Perguntado se a vinda de Colinas serviria como uma ponte para Janeth assumir o comando da equipe às vésperas dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, Nunes escapou pela tangente e disse que tudo está sendo planejado com cuidado. Pode ser, disse ele sobre a ponte Colinas-Janeth. Nós estamos planejando ainda.
 
Helen Luz, armadora de Americana, que trabalhou com Colinas no Mundial da República Tcheca, elogiou o treinador e disse que ele trouxe um grande aprendizado por ser de uma escola europeia. A gente aprendeu muito com o Carlos (Colinas), disse Helen. Tenho certeza que a Janeth também ganhou experiência com ele.

Para ela, a culpa do mau desempenho da equipe brasileira no Mundial se deve ao trabalho ruim feito nas categorias de base: Infelizmente o panorama do basquete feminino está mal desde antes. Para se ter conquistas importantes você tem que ter um bom trabalho de base, coisa que a gente ficou muito tempo parado sem fazer. Eu acho que a Hortência tentou fazer o melhor pelo Brasil. Agora temos que olhar para frente.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG