Conheça algumas das apresentações mais memoráveis do jogo das estrelas da NBA, que é disputado há mais de meio século

Os principais jogadores da NBA estarão reunidos neste próximo final de semana em Los Angeles para a realização do “All-Star Weekend”. A festa começa na sexta-feira, com o desafio entre novatos, passa pelas competições individuais no sábado e tem seu desfecho no domingo com o jogo das estrelas, o “All-Star Game”, principal atração do evento.

Getty Images
Kareem Abdul-Jabbar no "All-Star Game" de 1989, o último dos 18 que disputou
A festa não é nova. Tem, na verdade, mais de meio século.

A primeira vez que os astros das duas conferências mediram forças foi no dia 2 de março de 1951. Naquele “All-Star Game” disputado em Boston, o Leste venceu por 111 a 94 e o prêmio de MVP ficou com o ala-pivô do Celtics Ed Macauley – que faz parte do Hall da Fama do basquete desde 1960.

De lá pra cá o jogo das estrelas só não aconteceu em 1999, quando a reduzida temporada da NBA não permitiu a realização do evento. A edição deste ano será a 60ª. E a rica história ao longo das 59 anteriores foi construída por exibições memoráveis de alguns dos mais brilhantes jogadores que já passaram pela mais importante e charmosa liga de basquete do planeta.

Dentre todos os atletas que já tiveram a oportunidade de participar da maior festa do basquete norte-americano ninguém jogou mais vezes que Kareem Abdul-Jabbar. O lendário pivô passou os seis primeiros campeonatos da carreira no Milwaukee Bucks e os 14 seguintes com o Los Angeles Lakers. Ao longo das 20 temporadas que esteve na NBA, disputou 18 vezes o “All-Star Game”.

Mas apesar deste recorde e de ter registrado “double-double” em cinco oportunidades, Kareem jamais conseguiu levar para casa o prêmio de melhor atleta na partida dos astros. É a única conquista que ficou faltando no currículo vitorioso do ex-pivô, que inclui seis títulos da NBA, seis troféus de MVP da temporada e 38.387 pontos anotados – feito que o coloca na condição de maior cestinha da história da liga.

Bob Pettit, por outro lado, foi eleito MVP do “All-Star Game” quatro vezes, mais do que qualquer outro jogador. O ex-ala-pivô defendeu o Hawks entre os anos de 1955 e 1965, período que a franquia, hoje localizada em Atlanta, passou por Milwaukee e St. Louis. Sua trajetória na liga durou 11 temporadas. Foi “all-star” em todas elas.

O fato de disputar a partida dentro de casa em 1958 parece ter inspirado Pettit, que presenteou os torcedores no Kiel Auditorium, em St. Louis, com uma apresentação histórica: 28 pontos e 26 rebotes na vitória do Leste sobre o Oeste por 130 a 116.

Esta marca de rebotes num único jogo de “All-Star Game” só foi superada uma única vez, em 1962, quando ele próprio apanhou 27. O resultado não poderia ter sido outro: Pettit ganhou o prêmio de MVP em ambas as oportunidades.

Bob Pettit recebe o prêmio de MVP em 1956
Getty Images
Bob Pettit recebe o prêmio de MVP em 1956
No evento de 1959, que teve como palco da festa o Olympia Stadium, em Detroit, Pettit marcou 25 pontos e pegou 16 rebotes na vitória do Oeste por 124 a 108. Elgin Baylor também teve um ótimo desempenho neste dia: anotou 24 pontos e pegou 11 rebotes. Os dois jogadores acabaram dividindo o prêmio de MVP, algo que jamais havia acontecido antes.

Esta divisão só voltou a acontecer 34 anos depois, no “All-Star Game” de 1993, em Salt Lake City. Mas o resultado ao final da partida parece ter sido obra de um roteiro escrito pelos deuses do basquete antes de a bola subir. Isso porque os comandantes da vitória do Oeste sobre o Leste por 135 a 132 foram o armador John Stockton e o ala-pivô Karl Malone. Os dois ídolos da franquia local, o Utah Jazz, foram eleitos MVP dentro de casa, levantando o troféu diante de seus torcedores, que os acompanharam durante toda a carreira. Foi um momento bastante especial.

Quatro anos mais tarde, em 1997, o evento foi sediado em Cleveland e acabou com Glen Rice eleito o melhor jogador. Mas muita gente considera que teria sido mais justo se a decisão ao final da partida fosse como as de 1959 ou 1993, ou seja, premiasse dois atletas.

Rice, que na época vestia o uniforme do Charlotte Hornets, saiu do banco naquela oportunidade e marcou 26 pontos. Sua produção ofensiva chamou a atenção, pois 20 destes pontos foram anotados no terceiro quarto – recorde de pontuação num único período.

Contudo, Michael Jordan totalizou neste jogo 14 pontos, 11 rebotes e 11 assistências. É, até hoje, o único “triple-double” registrado nos mais de 60 anos de história do “All-Star Game”. É por esta razão que há quem julgue um grande equívoco a premiação de 1997.

Michael Jordan em ação no
Getty Images
Michael Jordan em ação no "All-Star Game" de 1988, realizado no Chicago Stadium
Seria o quarto troféu de MVP no jogo das estrelas de Jordan, o que o colocaria ao lado de Pettit como o maior vencedor. Das três vezes em que ganhou o prêmio, talvez a mais marcante seja a de 1988, quando anotou 40 pontos e pegou oito rebotes no evento realizado no Chicago Stadium – casa do Bulls à época – e levou o Leste à vitória por 138 a 133.

Jordan esteve muito próximo de registrar a maior pontuação numa única partida de “All-Star Game” com os 40 pontos feitos em 1988. No entanto, não conseguiu superar a marca de 42 pontos convertidos por Wilt Chamberlain em 1962.

Outra exibição inesquecível foi a de Magic Johnson em Orlando, em 1992. Vindo do banco, o armador marcou 25 pontos e deu nove assistências e foi a principal figura do Oeste, que atropelou o Leste por 153 a 113.

O prêmio de MVP recebido naquela noite teve um sabor especial para o craque do Lakers. Isso porque Magic havia revelado para o mundo meses antes que era soropositivo. Mesmo sem participar da temporada 1991-92, acabou sendo selecionado e disputou o evento – apesar de muitos jogadores na época terem adotado posicionamento contrário à sua participação, entre eles Karl Malone. No fim do jogo, Magic acertou uma bola de três e foi abraçado por atletas dos dois selecionados, numa das cenas mais emocionantes da história do "All-Star Game".

Los Angeles, cidade que Magic conhece muito bem, será o palco da festa de 2011. O fato de jogar em casa pode fazer com que Kobe Bryant (Lakers) e o novato Blake Griffin (Clippers) entrem em quadra ainda mais inspirados. Dwyane Wade, ganhador do troféu em 2010, vem motivado em busca do bi. Outro forte candidato a ter atuação épica é LeBron James, jogador com a maior média de pontos por jogo no evento (23,4).

Quem será o craque da edição de 2011 e que terá o seu nome marcado para sempre na história do “All-Star Game”? Façam suas apostas, os candidatos não são poucos.

    Leia tudo sobre: nba
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.