Ao lado de Raulzinho, jovem armador carrega responsabilidade de fazer basquete brasileiro deixar para trás deficiência na posição

Desde o último dia 4, quando se apresentou à Seleção Brasileira para iniciar a preparação para disputa do Pré-Olímpico , a rotina do armador Vitor Benite tem sido dedicada aos treinos. Sob os olhares do treinador Rubén Magnano, trabalha para conquistar espaço no grupo definitivo que vai à Argentina brigar pela vaga nas Olimpíadas de Londres. Em um dos raros momentos de folga, o jovem atleta participou nesta quinta-feira de um bate-papo através do Twitter promovido pela LNB (Liga Nacional de Basquete).

Revelação da temporada 2010/11 do NBB e um dos principais destaques do vice-campeonato de Franca, Benite se transferiu para Limeira ao final da liga nacional. O motivo? “Voltar a jogar mais como armador, que é minha posição favorita”, disse.

Nos treinos da Seleção, Benite vem atuando da maneira que mais lhe agrada: como armador, no papel de organizador das jogadas. E apontou atletas da posição que servem de inspiração: “Steve Nash e Pete Maravich”.

Principal destaque do Phoenix Suns, Nash foi eleito o MVP (melhor jogador) da NBA em duas oportunidades, em 2005 e 2006. É um jogador que Benite teve a chance de acompanhar em seu melhor momento. A história é diferente com relação a Maravich, que jogou durante a década de 1970, bem antes de o armador brasileiro nascer.

“Adoro ler sobre a história do basquete, procuro sempre as origens para tentar melhorar o meu jogo”, explicou Benite.

Ao lado de Raulzinho Neto, Benite é a grande promessa entre os armadores brasileiros. Os dois gozam da confiança de Magnano , que vê neles a esperança de fazer com que o país volte a contar com bons jovens jogadores da posição.

“Acho que se continuarmos trabalhando sério, temos tudo para mudar isso”, afirmou Benite em relação à missão que ele e Raulzinho têm de fazer com que a armação deixe de ser a principal carência do basquete brasileiro. “Responsabilidade todos temos, tento levar na boa, mas tento não deixar influenciar”.

Benite espera estar no grupo dos 12 jogadores que irão à Mar del Plata, na Argentina, tentar recolocar a Seleção Brasileira nas Olimpíadas pela primeira vez desde 1996. São duas vagas disponíveis na competição. Uma deverá ficar com os anfitriões. A outra ele espera que fique com o Brasil, mas ressalta: “Acho que Porto Rico e República Dominicana são os principais adversários, são dois ótimos times”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.