Para técnico e atletas, não há fórmula mágica para parar o ala-pivô do Mavericks e solução está no empenho e rotação de defensores

Getty Images
Dirk Nowitzki, ala-pivô do Dallas Mavericks
A grande pergunta que o Miami Heat enfrenta às vésperas da primeira partida da final da temporada 2010/11 é como marcar o ala-pivô Dirk Nowitzki, líder do Dallas Mavericks. O alemão é o segundo principal cestinha dos playoffs, com mais de 28 pontos por jogo. Para o treinador Erik Spoelstra, a resposta não será encontrada mudando o estilo da equipe.

“O que é importante quando chegamos neste nível, e isto vale para os dois times, é você manter a consistência no que vem fazendo durante o ano todo”, afirmou o comandante. “Os times que são capazes de manter suas identidades mais tempo do que o adversário têm maior chance de vencer”.

Spoelstra sabe que não existe fórmula mágica para parar Nowitzki, então a saída está em um esforço coletivo. “Ele criará muitos desafios para nossos conceitos e esquemas defensivos”, disse. “Nós temos que superá-los com nosso esforço, potencial atlético e, muitas vezes, teremos que recorrer a jogadores diferentes o marcando e marcações duplas”.

Durante a temporada regular, o Heat foi derrotado nas duas partidas contra o Mavericks, mas impediu boas atuações do ala-pivô. Apesar de ter anotado 24 pontos em média, Nowitzki converteu apenas 17 de 44 arremessos (38,6% de aproveitamento). Nos playoffs, por outro lado, o alemão tem acertado 51,7% de suas tentativas de quadra.

No primeiro jogo das finais, a tendência é que o ala-pivô Chris Bosh comece marcando o atleta. Porém, como ressaltou Spoelstra, outros jogadores poderão assumir a função, como o também ala-pivô Udonis Haslem e o ala LeBron James.

Bosh, que está ansioso para entrar em quadra , considera Nowitzki um dos grandes desafios existentes na liga. “Ele é um dos jogadores mais difíceis de se defender, porque usa seu corpo e arremessa muito bem”, analisou. “Você tem que ser disciplinado e contestar cada uma de suas tentativas”.

Responsável pela marcação do ala-pivô na final de 2006, Haslem acredita que o alemão evoluiu muito desde então. “Muitos tentaram fazer algumas das estratégias que fiz naquela final e ele destruiu todos”, falou. “Seu jogo de garrafão melhorou. Você já não pode ser tão físico contra ele. Muito do que fiz já não funciona mais”.

Dirk Nowitzki e Chris Bosh: confronto do
Getty
Dirk Nowitzki e Chris Bosh: confronto do "All Star Game" se repetirá na final da temporada

Dwyane Wade, outro jogador que enfrentou Nowitzki na decisão de 2006, também acha que ele se desenvolveu tecnicamente nos últimos anos. “Penso que ele melhorou tomando conta da partida nos minutos decisivos”, disse o ala-armador, que estará no jogo 1 apesar de poupado nos últimos treinos . “E ele é muito eficiente. Acho que ele está mais inteligente e determinado a ser campeão”.

Elogiado pela marcação de Derrick Rose nas finais de conferência , todos aguardam o possível momento em que James marcará Nowitzki. Porém, o jogador não vê o desafio de encarar o ala-pivô como algo especial.

“Eu estou ansioso para marcar qualquer adversário”, afirmou a estrela. “Eu não me importo em marcar ninguém. Sou um jogador defensivo. Não vou sentar aqui e dizer que posso parar Dirk porque eu não acho que ninguém pode pará-lo sozinho. Ele é um dos melhores criadores de arremesso da história da liga. Onde o treinador me quiser, não faz diferença para mim”.

    Leia tudo sobre: NBA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.