Publicidade
Publicidade - Super banner
Basquete
enhanced by Google
 

Dennis Rodman terá sua camisa aposentada em Detroit

O número 10, usado pelo jogador nos dois títulos conquistados pela franquia, será aposentado em cerimônia contra o Bulls

Gabriel Fuhrmann, iG São Paulo |

O Detroit Pistons vai aposentar a camisa de um dos maiores ídolos da sua história. O número 10, de Dennis Rodman, não será usado por nenhum outro atleta que atue pela franquia.

O confronto que marcará a cerimônia em homenagem a Rodman não poderia ser melhor. O Pistons planeja uma festa no dia 1 de abril, quando recebe o Chicago Bulls, outra equipe pela qual o ala marcou época.

Rodman foi apenas 27ª escolha do draft de 1986, pelo Detroit. No entanto, ficou na equipe até 1993. Com o astro a franquia chegou às finais da NBA três vezes (88, 89 e 90) e levou o título em duas oportunidades (89 e 90). Até então o time, que está em Detroit desde 1957, nunca tinha vencido sequer a Conferência Leste.

Ainda jogando no Pistons, Dennis conseguiu ser duas vezes “All-Star” da NBA, duas vezes o jogador defensivo do ano e duas vezes o líder em rebotes da liga.

No total, ele venceu por sete vezes consecutivas o melhor reboteiro da NBA, com uma média geral de 16,7 por jogo, considerando os sete campeonatos citados. Até hoje o ala tem o recorde de mais rebotes em um único jogo pela equipe: 34, contra o Indiana Pacers, em 1992.

Rodman ainda jogou pelo San Antonio Spurs e no fim da carreira na NBA teve curtas passagens por Los Angeles Lakers e Dallas Mavericks, mas foi no Chicago Bulls que alcançou a glória novamente.

Getty Images
Rodman vestido de noiva no lançamento de seu livro
Ele passou três temporadas em Illinois, entre 1995 e 1998 e foi campeão em todas elas, e claro, maior reboteiro da competição também. Na época ele atuou ao lado de Michael Jordan.

A carreira de Rodman não teve só títulos. Ela também foi muito conturbada e polêmica. Seu apelido na NBA era “O Verme”.

Em 1993 ele foi encontrado dormindo em seu carro com um rifle carregado. Meses mais tarde, mesmo com três anos e US$ 11,8 milhões restantes em seu contrato com o Pistons, o ala pediu para ser transferido e foi para o Spurs. Em seu livro, “Tão mau quanto eu quero ser”, ele confessou que iria cometer suicídio na fatídica noite, mas desistiu.

Do momento em que abortou a tentativa de suicídio em diante, Rodman ficou conhecido como o “bad boy” do basquete norte-americano e promoveu várias cenas inusitadas: lançou livro trajando um vestido de noiva, arriscou carreira na luta livre, teve um casamento rápido (dez dias) com a atriz Carmen Electra, no qual esteve intoxicado durante toda a cerimônia e em outra oportunidade declarou que era bissexual para poder casar com ele mesmo.

Apesar de tantas polêmicas, Rodman confessa que é grato ao Pistons e tem apenas uma coisa para lamentar: “Essa organização (Detroit Pistons) me deu a oportunidade de me tornar algo. Só lamento porque Chuck Daly, o homem que acreditou em mim mais do que eu mesmo, não está mais conosco”.

Daly foi o treinador do Pistons nas temporadas em que Dennis esteve na franquia e faleceu em maio de 2009.
 

Leia tudo sobre: NBADetroit Pistons

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG