Publicidade
Publicidade - Super banner
Basquete
enhanced by Google
 

Dallas leva a melhor sobre Houston e vence a sexta partida seguida

Dirk Nowitzki anotou 20 pontos e pegou dez rebotes na vitória dentro de casa do Mavericks sobre o rival texano

iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237854289285&_c_=MiGComponente_C

O Dallas Mavericks atravessa ótima fase na temporada. Na noite desta segunda-feira, venceu em casa o clássico texano contra o Houston Rockets por 101 a 91 e atingiu a sua sexta vitória consecutiva.

Eleito melhor jogador da Conferência Oeste da última semana, Dirk Nowitzki foi o destaque do Dallas no jogo. Anotou 20 pontos, pegou dez rebotes e deu três tocos. Outro atleta que registrou double-double foi o ala reserva Shawn Marion, com 14 pontos e dez rebotes.

AP
Caron Butler em ação contra o Rockets: ala anotou 19 pontos

O principal pontuador do Houston foi o ala-armador Kevin Martin. Fez 17 pontos, mas demonstrou falta de pontaria nos arremessos: acertou apenas quatro em 15 arriscados. Já o ala-pivô argentino teve 15 pontos e pegou cinco rebotes.

Martin não foi o único atleta do Rockets que não arremessou bem na partida. O aproveitamento da equipe de maneira geral foi muito fraco: apenas 35,8% de tiros convertidos. O Mavericks, por sua vez, teve índice de conversão de 49,4%.

Os mandantes foram melhores na primeira metade e venciam no intervalo por 52 a 45. O ala Caron Butler anotou 13 dos seus 19 pontos durante o terceiro quarto e foi decisivo para que a equipe estendesse a sua liderança para dois dígitos.

A vantagem chegou a ser de 22 pontos no último período. Um arremesso de Nowitzki a sete minutos do fim do jogo encerrou uma corrida de 12 a 2 do Dallas que colocou o time com 95 a 73 de frente no marcador.

Com a vitória já garantida, o treinador Rick Carlisle sacou seus principais jogadores nos minutos finais, dando chance a alguns jogadores que costumam ser pouco utilizados. O ataque ficou sem produzir pontos durante os últimos quatro minutos, permitindo assim uma aproximação do rival. Mas nada que pudesse ameaçar o resultado.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG