Tamanho do texto

São muitas as estrelas do melhor basquete do mundo que nunca ficaram com o título, como Patrick Ewing, Charles Barkley e Allen Iverson, entre outros

Patrick Ewing brilhou no New York Knicks, mas nunca foi campeão da NBA
Reprodução
Patrick Ewing brilhou no New York Knicks, mas nunca foi campeão da NBA

Ser campeão da NBA é um privilégio que poucos conseguem, já que a liga norte-americana de basquete é a melhor do mundo e também bastante disputada, com jogadores de alto nível em praticamente todas as franquias. LeBron James , por exemplo, levantou a taça pela primeira vez em 2012, pelo Miami Heat.

Leia também: LeBron James desabafa: "Ser negro nos Estados Unidos é difícil"

Em 2011, o Dallas Mavericks comemorou o título da NBA pela primeira vez em 31 anos de história. A conquista do time texano permitiu que atletas como o ala-pivô Dirk Nowitzki e o armador Jason Kidd alcançassem o anel de campeão que há tanto tempo desejavam.

O iG Esporte selecionou alguns jogadores que brilharam nas quadras sem ter conquistado o anel de campeão.

Confira abaixo:

Barkley foi vice-campeão em 1993
Getty Images
Barkley foi vice-campeão em 1993

CHARLES BARKLEY

Temporadas disputadas na NBA: 16, entre 1984 e 2000
Médias na carreira: 22,1 pontos, 11,7 rebotes e 3,9 assistências por jogo.
Feitos marcantes: ganhou o prêmio de MVP da liga em 1993 e aparece na lista dos 50 melhores jogadores da história feita pela NBA em 1996. O currículo ainda conta com duas medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos (1992 e 1996),
Posição: ala-pivô.
Onde jogou: Philadelphia 76ers, Phoenix Suns e Houston Rockets.
Participações em “All-Star Game”: 11, entre 1987 e 1997.
O máximo que se aproximou do título: no ano de 1993, o mesmo em que foi eleito o MVP, levou o Phoenix à decisão. Contudo, acabou sendo derrotado pelo Chicago Bulls.

Baylor passou toda a carreira no Lakers
Getty Images
Baylor passou toda a carreira no Lakers

ELGIN BAYLOR

Temporadas disputadas na NBA: 14, entre 1958 e 1972.
Médias na carreira: 27,4 pontos, 13,5 rebotes e 4,3 assistências por jogo.
Feitos marcantes: é o recordista de pontos em uma única partida das finais com os 61 que anotou em 1962, contra o Boston Celtics. Além disso, também faz parte do grupo dos 50 maiores jogadores da história selecionado pela NBA em 1996.
Posição: ala.
Onde jogou: Minneapolis/Los Angeles Lakers.
Participações em “All-Star Game”: 11, entre 1959 e 1965; e entre 1967 e 1970.
O máximo que se aproximou do título: disputou oito decisões ao longo da carreira (1959, 1962, 1963, 1965, 1966, 1968, 1969 e 1970), mas foi derrotado em todas.

Leia também: Governo turco decreta prisão de jogador da NBA acusado de terrorismo

Dave Bing em ação pelo Washington
Getty Images
Dave Bing em ação pelo Washington

DAVE BING

Temporadas disputadas na NBA: 12, entre os anos de 1966 e 1978.
Médias na carreira: 20,3 pontos, 6,0 assistências e 3,8 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: outro integrante do grupo dos 50 maiores jogadores da história da NBA.
Posição: ala-armador.
Onde jogou: Detroit Pistons, Washington Bullets (atualmente chamado de Wizards) e Boston Celtics.
Participações em “All-Star Game”: sete (1968, 1969, 1971, 1973, 1974, 1975 e 1976).
O máximo que se aproximou do título: foi quatro vezes eliminado nas semifinais da Conferência Leste. As duas primeiras foram com o Detroit, em 1968 e 1974. As outras duas aconteceram em 1976 e em 1977, pelo Washington.

Ewing levou o New York às finais em 1994
Getty Images
Ewing levou o New York às finais em 1994

PATRICK EWING

Temporadas disputadas na NBA: 17, entre 1985 e 2002.
Médias na carreira: 21,0 pontos, 9,8 rebotes e 2,4 tocos por jogo.
Feitos marcantes: conquistou duas medalhas de ouro com a seleção norte-americana nos Jogos Olímpicos de 1984 e 1992, e também consta na lista feita pela NBA em 1996 com os 50 melhores jogadores que já passaram pela liga.
Posição: pivô.
Onde jogou: New York Knicks, Seattle Supersonics e Orlando Magic.
Participações em “All-Star Game”: 11; em 1985, e entre 1987 e 1996.
O máximo que se aproximou do título: foi vice-campeão duas vezes. Em 1994, o New York caiu na decisão diante do Houston Rockets. Em 1999, o algoz foi o San Antonio Spurs.

George Gervin em ação pelo Spurs
Getty Images
George Gervin em ação pelo Spurs

GEORGE GERVIN

Temporadas disputadas na NBA: dez, entre 1976 e 1986.
Médias na carreira: 26,2 pontos, 4,6 rebotes e 2,8 assistências por jogo.
Feitos marcantes: outro integrante da lista dos 50 maiores craques que já passaram pela NBA, feita pela liga em 1996.
Posição: ala-armador.
Onde jogou: San Antonio Spurs e Chicago Bulls.
Participações em “All-Star Game”: Nove, entre 1977 e 1985.
O máximo que se aproximou do título: caiu nas finais de conferência por três vezes, todas pelo San Antonio. A primeira foi em 1979, quando o Spurs disputava os playoffs pelo lado Leste. As outras duas foram em 1982 e 1983, com a franquia já integrando o Oeste.

Iverson foi vice-campeão em 2001
Getty Images
Iverson foi vice-campeão em 2001

ALLEN IVERSON

Temporadas disputadas na NBA: 14, entre 1996 e 2010.
Médias na carreira: 26,7 pontos, 6,2 assistências e 3,7 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: foi eleito o MVP da liga em 2001.
Posição: armador.
Onde jogou: Philadelphia 76ers, Denver Nuggets, Detroit Pistons e Memphis Grizzlies.
Participações em “All-Star Game”: 11, entre 2000 e 2010.
O máximo que se aproximou do título: as grandes atuações de Iverson durante o campeonato de 2001 levaram o Philadelphia a vencer a Conferência Leste. O jogador, no entanto, não conseguiu fazer com que o time superasse o Los Angeles Lakers na decisão.

Karl Malone: três vezes vice-campeão
Getty Images
Karl Malone: três vezes vice-campeão

KARL MALONE

Temporadas disputadas na NBA: 19, entre 1985 e 2004.
Médias na carreira: 25,0 pontos, 10,1 rebotes e 3,6 assistências por jogo.
Feitos marcantes: ganhou o troféu de MVP nos anos de 1997 e 1999, e faz parte do grupo dos 50 melhores jogadores da história da NBA. É o segundo maior cestinha da liga com 36.928 pontos -- atrás apenas de Kareem Abdul-Jabbar.
Posição: ala-pivô.
Onde jogou: Utah Jazz e Los Angeles Lakers.
Participações em “All-Star Game”: 14, entre 1988 e 1998; e entre 2000 e 2002.
O máximo que se aproximou do título: foi três vezes vice-campeão. Pelo Utah, caiu diante do Chicago Bulls em 1997 e 1998. Atuando pelo Lakers, em 2004, teve o sonho de ser campeão desfeito pelo Detroit Pistons.

Pete Maravich nos tempos de Utah
Getty Images
Pete Maravich nos tempos de Utah

PETE MARAVICH

Temporadas disputadas na NBA: dez, entre 1970 e 1980.
Médias na carreira: 24,2 pontos, 5,4 assistências e 4,2 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: mais um dos que integram a lista divulgada pela NBA em 1996 com os 50 melhores jogadores da história da liga.
Posição: armador.
Onde jogou: Atlanta Hawks, New Orleans/Utah Jazz e Boston Celtics.
Participações em “All-Star Game”: cinco (1973, 1974, 1977, 1978 e 1979).
O máximo que se aproximou do título: chegou com o Boston às finais da Conferência Leste em 1980, na última temporada da carreira. O time de Massachusetts acabou levando a pior no confronto diante do Philadelphia 76ers.

Reggie Miller fez a carreira no Indiana
Getty Images
Reggie Miller fez a carreira no Indiana

REGGIE MILLER

Temporadas disputadas na NBA: 18, entre 1987 e 2005.
Médias na carreira: 18,2 pontos, 3,0 rebotes e 3,0 assistências por jogo.
Feitos marcantes: ganhou a medalha de ouro com a seleção norte-americana nas Olimpíadas de 1996. Especialista nos tiros de três pontos, acertou 2.560 bolas de longa distância na carreira -- segunda maior marca da liga em todos os tempos, atrás apenas de Ray Allen.
Posição: ala-armador
Onde jogou: Indiana Pacers.
Participações em “All-Star Game”: cinco (1990, 1995, 1996, 1998 e 2000).
O máximo que se aproximou do título: chegou à decisão em 2000, mas acabou sendo derrotado pelo Los Angeles Lakers.

Mullin ficou perto do título em Indiana
Reprodução
Mullin ficou perto do título em Indiana

CHRIS MULLIN

Temporadas disputadas na NBA: 16, entre 1985 e 2001.
Médias na carreira: 18,2 pontos, 4,1 rebotes e 3,5 assistências por jogo.
Feitos marcantes: foi um dos 12 atletas que formaram o "Dream Team" norte-americano que conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas de 1992, em Barcelona.
Posição: ala.
Onde jogou: Golden State Warriors e Indiana Pacers.
Participações em “All-Star Game”: cinco, entre 1989 e 1993.
O máximo que se aproximou do título: era companheiro de Reggie Miller no Indiana em 2000, quando a equipe foi derrotada pelo Los Angeles Lakers na decisão e ficou com o vice-campeonato.

Steve Nash em ação
Reprodução
Steve Nash em ação

STEVE NASH

Temporadas disputadas na NBA: 15, entre 1996 e 2011.
Médias na carreira: 14,6 pontos, 8,6 assistências e 3,0 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: ganhou o troféu de jogador mais valioso da NBA duas vezes consecutivas, nos anos de 2005 e 2006.
Posição: armador.
Onde jogou: Phoenix Suns e Dallas Mavericks.
Participações em “All-Star Game”: sete (2002, 2003, 2005, 2006, 2007, 2008 e 2010).
O máximo que se aproximou do título: finais da Conferência Oeste. O armador chegou à esta fase quatro vezes ao longo da carreira. A primeira foi em 2003, quando era jogador do Dallas. As demais aconteceram com o Phoenix, nos anos de 2005, 2006 e 2010.

Leia também: Maldição de ex-atriz pornô atinge astro da NBA; entenda

John Stockton: duas vezes vice pelo Utah
Reprodução
John Stockton: duas vezes vice pelo Utah

JOHN STOCKTON

Temporadas disputadas na NBA: 19, entre 1984 e 2003.
Médias na carreira: 13,1 pontos, 10,5 assistências e 2,7 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: distribuiu 15.806 assistências durante a carreira, mais do que qualquer outro jogador que tenha passado pela liga. Pela seleção dos EUA, participou das conquistas olímpicas de 1992 e 1996.
Posição: armador.
Onde jogou: Utah Jazz.
Participações em “All-Star Game”: dez, entre 1989 e 1997 e em 2000.
O máximo que se aproximou do título: ao lado de Karl Malone, foi vice-campeão da NBA em 1997 e em 1998, tendo perdido ambas as decisões para o Chicago Bulls.

Nate Thurmond em ação pelo Warriors
Reprodução
Nate Thurmond em ação pelo Warriors

NATE THURMOND

Temporadas disputadas na NBA: 14, entre 1963 e 1977.
Médias na carreira: 15,0 pontos, 15,0 rebotes e 2,7 assistências por jogo.
Feitos marcantes: primeiro jogador a alcançar o "quadruple-double" na história. A façanha ocorreu em 1974, quando atuava pelo Chicago e somou 22 pontos, 14 rebotes, 13 assistências e 12 tocos. É mais um nome que aparece entre os 50 melhores da história da NBA.
Posição: ala-pivô
Onde jogou: San Francisco/Golden State Warriors, Chicago Bulls e Cleveland Cavaliers.
Participações em “All-Star Game”: sete (1965, 1966, 1967, 1968, 1970, 1973 e 1974).
O máximo que se aproximou do título: foi duas vezes vice-campeão pelo Warriors. As derrotas aconteceram em 1964 e em 1967.

Lenny Wilkens
Getty Images
Lenny Wilkens

LENNY WILKENS

Temporadas disputadas na NBA: 15, entre 1960 e 1975.
Médias na carreira: 16,5 pontos, 6,7 assistências e 4,7 rebotes por jogo.
Feitos marcantes: outro jogador que faz parte do grupo dos 50 melhores em todos os tempos que a NBA elegeu em 1996.
Posição: armador.
Onde jogou: St. Louis Hawks (atualmente localizado em Atlanta), Seattle Supersonics, Cleveland Cavaliers e Portland Trail Blazers.
Participações em “All-Star Game”: nove (1963, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969, 1970, 1971 e 1973).
O máximo que se aproximou do título: em 1961, logo na temporada de estreia, chegou às finais. Mas o Hawks, time onde atuava na época, não conseguiu fazer frente ao Boston Celtics.

Dominique Wilkins em ação pelo Atlanta
Reprodução
Dominique Wilkins em ação pelo Atlanta

DOMINIQUE WILKINS

Temporadas disputadas na NBA: 15, entre 1982 e 1995; em 1997, e 1999.
Médias na carreira: 24,8 pontos, 6,7 rebotes e 2,5 assistências por jogo.
Feitos marcantes: um dos seis jogadores da história com média superior a 25 pontos por jogo em dez temporadas seguidas. Os outros cinco são: Jerry West, Michael Jordan, Shaquille O'Neal, Allen Iverson e Karl Malone.
Posição: ala.
Onde jogou: Atlanta Hawks, Los Angeles Clippers, Boston Celtics, San Antonio Spurs e Orlando Magic.
Participações em “All-Star Game”: nove, entre 1986 e 1994.
O máximo que se aproximou do título: nunca passou das semifinais de conferência na NBA. Chegou a esta fase com o Atlanta em 1986, 1987 e 1988.

    Leia tudo sobre: NBA