Equipe russa conquista vitória no fim e segue viva na competição. Resultado obriga Brasil a vencer partida contra a Argentina

A Rússia segue viva na disputa pela última vaga do Grupo E às quartas de final do Mundial Sub 19. Nesta quarta-feira, enfrentou a já eliminada Letônia e ficou a maior parte do tempo em desvantagem. Mas com um desempenho dominante no último quarto, chegou a virada e conquistou a vitória por 73 a 63.

Com o resultado, os russos torcem por um tropeço do Brasil diante da Argentina para se classificarem. Em caso de vitória brasileira, estarão eliminados.

O armador Alexander Varnakov foi o cestinha do jogo com 21 pontos e comandou o triunfo da Rússia. O ala-armador Dmitry Kulagin teve 15 pontos e cinco rebotes. Outro destaque da equipe foi o também ala-armador Viktor Zaryazhko, que somou nove pontos e sete rebotes.

A Letônia também contou com boa participação dos seus alas-armadores. Kaspars Vecvagars anotou 17 pontos, ao passo que Edmunds Dukulis ficou a um passo de registrar um “double-double”: nove pontos e 12 rebotes. Já o pivô Davis Berans contabilizou sete pontos, sete rebotes e cinco assistências.

Apesar de já não ter mais chances de classificação, a Letônia entrou em quadra mostrando estar bastante disposta a vencer. O time acertou quatro bolas de três e rapidamente assumiu a liderança no placar, abrindo 12 a 2 após somente três minutos jogados.

Os russos reagiram e reduziram a distância no marcador, mas permaneceram durante toda a primeira metade em desvantagem. Quando o jogo chegou ao intervalo, perdiam por 32 a 27.

No princípio da segunda metade, os letões voltaram a abrir dois dígitos de superioridade e davam indícios de que venceriam a partida sem maiores problemas. Mas no último quarto, a Rússia partiu em busca da vitória que a manteria viva na competição e teve sucesso.

Ao longo dos quatro minutos derradeiros do confronto, os russos emplacaram uma corrida de 12 a 1 e chegaram à virada. Para seguirem na disputa do título mundial Sub 19, precisam de um tropeço do Brasil diante da Argentina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.