Tamanho do texto

Com forte defesa e 28 pontos do MVP Derrick Rose, equipe local limita ação de LeBron James e Dwyane Wade e vence por 103 a 82

O Chicago Bulls aproveitou-se do fato de atuar em casa e abriu a série final da Conferência Leste com vitória sobre o Miami Heat. A defesa imposta pela equipe da casa no segundo tempo foi o principal fator para definir o triunfo por 103 a 82.

O MVP da temporada, Derrick Rose , foi o principal cestinha do Bulls com 28 pontos. O armador ainda deu seis assistências. O ala Luol Deng, responsável pela marcação do astro LeBron James , saiu de quadra com 21 pontos, sete rebotes e quatro roubos de bola. O ala-pivô Carlos Boozer contribuiu com 14 pontos e nove rebotes.

Apesar da derrota, o Heat teve o maior pontuador da noite: o ala-pivô Chris Bosh, com 30 pontos. O ala-armador Dwyane Wade anotou 18 pontos e James fez 15 pontos, pegou seis rebotes e deu seis assistências.

Um dos pontos positivos da atuação de Chicago foi ter limitado a ação dos astros James e Wade. Os dois converteram apenas 12 de 32 arremessos tentados durante a partida e cometeram quatro erros cada. Enquanto o ala esteve em quadra, Miami perdeu por 14 pontos. Com o ala-armador, a situação foi ainda pior: derrota por 22 pontos.

Agora, contando temporada regular e playoffs, o Bulls tem quatro vitórias e nenhuma derrota contra o Heat.

O jogo

O Heat não se mostrou intimidado pela torcida adversária e iniciou o jogo melhor, abrindo pequena vantagem de duas posses de bola nos primeiros minutos.

Com uma série de seis pontos sem resposta, os visitantes chegaram a ter 19 a 11 no marcador, mas a saída de Bosh (líder da equipe até então, com nove pontos) permitiu que o Bulls – comandado por Rose, que tinha oito pontos – se recuperasse e saísse do primeiro quarto perdendo por apenas três pontos (23 a 20).

A recuperação continuou no começo do segundo período e os reservas Taj Gibson e Omer Asik fizeram com que Chicago tomasse a liderança (31 a 30). Porém, logo em seguida, o Heat anotou sete pontos consecutivos para acabar com a reação do oponente e voltar a abrir vantagem.

O Bulls ainda conseguiu emparelhar novamente o placar antes do intervalo contando com grande sequência de Luol Deng. O ala anotou oito dos últimos 18 pontos do time, que foi para o intervalo empatado com o Heat em 48 pontos.

Derrick Rose tenta cesta sob os olhares da defesa do Heat. Armador anotou 28 pontos na vitória
Getty
Derrick Rose tenta cesta sob os olhares da defesa do Heat. Armador anotou 28 pontos na vitória

O intervalo fez bem para o time dirigido por Tom Thibodeau, que abriu o terceiro quarto anotando os cinco primeiros pontos e abrindo pequena vantagem. O Heat recuperou-se rapidamente e, faltando pouco menos de oito minutos para o fim do período, James fez uma cesta para virar o confronto em favor dos visitantes (58 a 57).

A cesta de James, porém, marcou o início da disparada do Bulls no marcador. Impondo uma fortíssima e eficiente defesa, o time da casa permitiria que Miami só anotasse mais cinco pontos no quarto, acertando dois de nove arremessos tentados e cometendo três erros. Enquanto isso, o Bulls anotou 15 pontos (sete deles de Rose) e foi para os 12 minutos decisivos com dianteira de 72 a 63.

A defesa de Chicago continuou funcionando no início do último período. Marcando 11 dos primeiros 14 pontos ocorridos no quarto, a equipe local alcançou vantagem de 17 pontos (83 a 66). Sem forças para tentar nova reação, Miami nunca voltaria a estar menos do que 12 pontos atrás do Bulls e veria a diferença ir além dos 20 pontos.

Uma espetacular enterrada de Gibson faltando menos de um minuto para o término do jogo sacramentaria a vitória de Chicago por 103 a 82.

A defesa e rebotes tiveram papel fundamental na vitória do Bulls. O Heat fez 12 pontos a menos do que sua média nos playoffs (94,7), perdeu a briga pelos rebotes por 45 a 33 (19 a 6 nos ofensivos, que renderam 23 pontos a mais em segundas oportunidades) e cometeu sete erros a mais do que o oponente (16 a 9).

Miami também deu 12 assistências a menos do que o Bulls (23 a 11) e acertou sete bolas a menos da linha dos três pontos (10 a três). Por isso, apesar de ter tido melhor aproveitamento nos arremessos de quadra (47.1% contra 43.7%) foi derrotado por 21 pontos.

    Leia tudo sobre: NBA