Time verde-amarelo contou com uma atuação primorosa de Rafael Hettsheimeir e levou a melhor por 73 a 71

A seleção brasileira finalmente desencantou no Pré-Olímpico de basquete. Nesta quarta-feira à noite, a equipe verde-amarela não se intimidou com a pressão da torcida de Mar Del Plata e derrotou a Argentina no sufoco por 73 a 71 embalada por uma grande atuação do pivô Rafael Hettsheimeir.

Veja a análise completa do jogo no Blog do Sormani

Além de anotar 19 pontos, o atleta do CAI Zaragoza venceu o confronto direto contra Luis Scola, uma das principais estrelas do basquete argentino. Hettsheimeir fez menos pontos que o rival (autor de 24), mas converteu mais cestas decisivas e saiu de quadra como grande herói do Brasil.

A seleção de Rubén Magnano foi para o clássico com a missão de evitar um possível confronto justamente contra os argentinos na semifinal. Isso porque a classificação para a final do torneio já garante uma vaga nas Olimpíadas, e o time da casa é franco favorito a uma das vagas. Desta forma, o Brasil tenta evitar um duelo decisivo contra os anfitriões na semi.

Mas nesta quarta-feira, a seleção deu mostras do seu verdadeiro potencial. O time de Magnano ainda contou com uma atuação cheia de erros da Argentina, mas mesmo assim soube se impor com autoridade para conseguir o triunfo.

Com o resultado, a seleção ainda encerrou um jejum de 16 anos sem vitórias sobre o rival sul-americano em torneios de grande expressão – Mundiais ou outros Pré-Olímpicos. A equipe não vencia o time portenho desde o torneio classificatório para Atlanta-1996.

O Brasil volta à quadra em Mar Del Plata nesta quinta-feira, para encerrar sua participação na segunda fase do Pré-Olímpico contra Porto Rico. Já a Argentina enfrenta a República Dominicana. Os resultados definirão os confrontos de semifinal.

“A vitória nos deu a oportunidade de brigar pelo primeiro lugar. Foi uma vitória extremamente importante, mas não ganhamos nada. O jogo que define os cruzamentos para a semifinal é amanhã”, comentou Guilherme Giovannoni após o duelo.

O jogo
A Argentina perdeu um de seus principais jogadores já na bola ao alto que deu início à partida, em que o pivô Andrés Nocioni torceu o tornozelo. Com ritmo forte e arbitragem confusa no primeiro quarto, o Brasil conseguiu abrir a primeira vantagem no marcador, aproveitando a velocidade de seu ataque.

As duas equipes passaram a desperdiçar posses de bolas com erros simples e deixaram a partida com baixo nível técnico. A Seleção conseguiu encerrar o primeiro quarto com pequena vantagem no placar: 19 a 17.

Os primeiros pontos do segundo período foram brasileiros, o que obrigou o técnico argentino Julio Lamas a pedir tempo quando o marcador apontava 23 a 17 para a equipe visitante. A bronca fez efeito e o time anfitrião apertou a marcação, teve crescente domínio no garrafão e aproveitou os sucessivos erros do Brasil para assumir o marcador antes do fim da primeira metade da partida.

Marcelinho Huertas arma jogada na vitória sobre o time anfitrião
EFE
Marcelinho Huertas arma jogada na vitória sobre o time anfitrião
Quando as duas equipes foram para o vestiário, a Argentina tinha vantagem mínima: 28 a 27.
A Seleção Brasileira voltou à quadra com ânimo redobrado e cometendo menos erros do que nos primeiros quartos. A marcação agressiva proposta pelo técnico Ruben Magnano funcionou e com o bom desempenho do ataque o Brasil abriu dez pontos de frente no marcador.

Para recuperar, a Argentina passou a investir nos tiros de longa distância de Pablo Prigioni. Eficiente, o armador foi responsável por colocar os donos da casa novamente no páreo. Com um arremesso de Marquinhos no estouro do cronômetro, o Brasil chegou ao último quarto com vantagem de seis pontos: 53 a 47.

O período final de partida foi disputado, nervoso. Os argentinos aceleraram e forçaram o jogo no ala Luis Scola. A 2min20s para o fim da partida, a tática dos donos da casa ruiu, quando o ala do Houston Rockets cometeu sua quinta falta no jogo e foi excluído.

O Brasil conseguiu se manter à frente durante todo o quarto, mas a Argentina diminuiu a desvantagem para dois pontos a 3s para o fim do jogo. No último ataque brasileiro, Alex sofreu falta, converteu os dois lances livres e garantiu a vitória em Mar Del Plata.

* Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.