Presidente da federação argentina admite que preço para contar com atletas que atuam nos EUA será muito alto e estuda alternativas

A Argentina convocou os seus principais jogadores para a disputa do Pré-Olímpico e espera contar com força máxima na competição. Para que isso ocorra, a federação de basquete do país procura agilizar o acerto do pagamento do seguro dos jogadores da NBA.

Getty Images
Seleção argentina comemora conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2004
“Isso precisa ser resolvido em 15 dias porque os times logo vão iniciar os treinos”, afirmou German Vaccaro, presidente da federação. “Mas no nosso caso, estamos bastante otimistas de que poderemos contar com todos os nossos jogadores neste torneio que iremos sediar”.

A dificuldade em acertar o pagamento do seguro dos atletas é reflexo do locaute instalado na NBA desde o início mês. O processo de negociação com os times foi modificado e acabou elevando o preço a ser desembolsado para que os atletas da liga norte-americana participem de competições internacionais defendendo seus países.

“O que nós ouvimos é o seguinte: se um jogador com três anos de contrato, que recebe um salário na média dos outros atletas, teríamos que gastar cerca de US$ 300 mil para assegurá-lo por estes três anos”, declarou Vaccaro. “É uma quantia inalcançável para qualquer outra federação”.

Vaccaro viajou à Madri, capital da Espanha, para se reunir com Jose Luis Saez, presidente da federação espanhola. O objetivo é tentar encontrar, junto com os dirigentes das demais seleções europeias, alternativas para concretizar o seguro dos atletas da NBA.

“Temos que encontrar uma solução para os jogadores”, afirmou Vaccaro. “Do ponto de vista institucional, seria irresponsável de nossa parte fazê-los jogar sem uma política de seguro. Eles devem ser assegurados para poderem trabalhar”.

O Pré-Olímpico será realizado na cidade argentina de Mar del Plata entre os dias 30 de agosto e 11 de setembro. A seleção comandada por Julio Lamas vai iniciar os treinamentos preparatórios para o torneio no próximo dia 29.

O seguro dos jogadores que atuam na NBA não é problema apenas para a Argentina. A República Dominicana convocou três atletas que jogam nos EUA : o pivô Al Horford, do Atlanta Hawks, o ala-ppivô Charlie Villanueva, do Detroit Pistons, e o ala-armador Francisco Garcia, do Sacramento Kings.

O Brasil acabou economizando com as dispensas de Nenê Hilário e Leandrinho Barbosa , além do corte do lesionado Anderson Varejão. Isso porque o único seguro com o qual a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) teve de arcar foi o de Tiago Splitter, pivô do San Antonio Spurs.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.