Tamanho do texto

Liga norte-americana busca compartilhar a experiência administrativa que tem para fortalecer sua imagem no país

Representantes da NBA e do NBB explicam acordo entre as duas ligas
Mauricio Camargo/Agência Eleven/Gazeta Press
Representantes da NBA e do NBB explicam acordo entre as duas ligas

O basquete brasileiro ganhou um parceiro de peso para o seu desenvolvimento nos próximos anos. A LNB (Liga Nacional de Basquete), organizadora do NBB, anunciou nesta quinta-feira, em São Paulo, uma parceria com a NBA. A liga norte-americana busca fortalecer sua imagem no país, um dos seus principais alvos comerciais, compartilhando a experiência que tem em termos de gestão. Os brasileiros contam com isso para alcançarem alguns objetivos que tanto sonham para o seu campeonato.

Leia mais sobre basquete no blog Triple-Double

"Acho que uma das principais metas que temos é a estruturação dos clubes", disse Cássio Roque, presidente da LNB. "A NBA é a maior mantenedora dos times da liga dela. No momento que estivermos estruturados, as equipes naturalmente estarão também. A NBA consegue manter regras rígidas e o equilíbrio no campeonato com isso. No Draft (processo de recrutamento de novatos), quem escolhe antes é quem teve pior campanha, não o que tem mais dinheiro. Isso porque ela ajuda a manter os times, o dinheiro vem dela".

Veja também:  Magnano aprova campanha no Mundial e vê Brasil perto de medalha

Com a sua sétima temporada em andamento, o NBB segue sem patrocínio master. Situação que pode mudar em breve com a NBA ao lado. "A ideia é que possamos atrair parceiros", disse Arnon de Mello, diretor-executivo da liga norte-americana no Brasil. "Não temos dúvida de que isso acontecerá em um curto prazo", completou.

Outro ponto no qual os dirigentes brasileiros sonham com melhorias é a condição dos ginásios dos clubes. "Os que temos aqui são uma porcaria", admiriu Kouros Monadjemi, diretor de relações institucionais da LNB. "É nosso tendão de Aquiles, sem dúvida. Temos que melhorar nisso e a NBA vai nos ajudar. Vamos sentar para planejar tudo e analisar como atrair o público."

Cássio Roque deixou claro que a NBA já sabia desse problema antes de se juntar ao NBB e acredita que essa situação pode mudar no futuro. "Não são todos os times daqui hoje que têm ginásios adequados. Quantos terão daqui a uns anos? Aí eu não sei responder. Mas se a parceria evoluir como esperamos, todos os clubes terão arenas adequadas", disse o presidente da LNB.

Representantes do NBB e da NBA divulgam acordo entre as duas ligas
Divulgação/LNB
Representantes do NBB e da NBA divulgam acordo entre as duas ligas

De acordo com Jason Cahilly, chefe do departamento financeiro e estratégico da NBA, a intenção é dividir o conhecimento no que diz respeito a estratégias de marketing, divulgação e apresentação dos jogos, entretenimento, administração e licenciamento de produtos. Isso porque, segundo ele, o NBB tem potencial para se transformar em uma das principais ligas nacionais de basquete do mundo. 

Assim como os dirigentes brasileiros, a NBA também busca fazer com que o NBB tenha cada vez menos problemas financeiros e se torne uma liga auto-sustentável. Mas o que a ela ganha com isso tudo?

"Se não tivermos fãs de basquete, não teremos fãs de NBA", analisou Arnon de Mello. "Para isso, precisamos de uma liga forte local, com times fortes. Assim, teremos cada vez mais pessoas acompanhando o esporte e aumentando a nossa base de seguidores por aqui. É isso o que vai garantir o sucesso da NBA no Brasil".

Nenhuma das partes informou valores ou o tempo de duração do acordo. Tudo o que o diretor-executivo da NBA no Brasil disse sobre o assunto foi: "É uma parceria de longuíssimo prazo".

Jogo das Estrelas e intercâmbio

Em outubro, o Flamengo viajou aos Estados Unidos para se tornar o primeiro time brasileiro a participar de jogos de pré-temporada da NBA. A parceria firmada nesta quarta-feira da liga norte-americana com o NBB pode até fazer que esse tipo de experiência aconteça mais vezes, mas não há nenhum tipo de certeza nesse sentido. 

"Isso não é uma regra, mas vamos tentar fazer com que aconteça alguns jogos entre times brasileiros e os da D-League, ou até mesmo da NBA. Tanto aqui como lá, como foi com o Flamengo", disse Arnon de Mello. 

Jason Cahilly admitiu que houve o Flamengo causou boa sensação nos norte-americanos, mas lembrou que não é todo time que pode encarar equipes da NBA. "Tem que ser competitivo ao ponto de dar jogo e transformar em um espetáculo atraente. Com o Flamengo, que é bem forte, teve isso. Essa competição existiu nos jogos que o clube fez lá", afirmou.

O que se pode esperar da parceria é que os eventos do NBB tenham mais a aparência dos que ocorrem na NBA. Como, por exemplo, o final de semana do Jogo das Estrelas. 

"É um momento especial na NBA", disse Arnon de Mello, referindo-se ao All-Star Game . "É importante para desenvolver a parte esportiva e também de negócios. Essa parceria foi fechada agora, estamos a poucos meses do Jogo das Estrelas do NBB. Não sei como será agora, mas queremos fazer algo maior nos próximos, assim como a final do campeonato. Mas ainda não sentamos para combinar isso", esclareceu.

    Leia tudo sobre: NBA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.