Relembre momentos marcantes da carreira de Michael Jordan

Por Luís Araújo - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Capacidade de superar adversidades e de crescer em momentos decisivos fizeram com que o ex-jogador se tornasse o melhor da história do basquete

Na comemoração dos 50 anos de Michael Jordan, o iG preparou uma lista com alguns dos principais momentos da carreira do ex-jogador. Da cesta do título universitário em 1982 à despedida das quadras em 2003, a relação ajuda a mostrar por que ele é considerado o maior atleta da história do basquete.

Veja abaixo os principais momentos da carreira de Jordan e escolha o melhor

Michael Jordan registrou média de 30,1 pontos por jogo na carreira. Foto: Getty ImagesAntes de entrar na NBA, Jordan conduziu a Universidade de North Carolina ao título da NCAA em 1982. Foto: Getty ImagesNo time de North Carolina, Jordan foi treinado por Dean Smith, um dos técnicos mais bem sucedidos no basquete universitário. Foto: Getty ImagesA carreira na NBA começou em 1984. Jordan foi escolhido pelo Chicago Bulls na terceira posição do Draft daquele ano. Foto: Getty ImagesNo Bulls, formou com Scottie Pippen uma das duplas mais vitoriosas da NBA em todos os tempos. Foto: Getty ImagesDurante a maior parte da carreira, Jordan foi comandado por Phil Jackson, treinador 11 vezes campeão da NBA. Foto: Getty ImagesJordan foi eleito o MVP (melhor jogador) da NBA cinco vezes: 1988, 1991, 1992, 1996 e 1998. Foto: Getty ImagesJordan foi escolhido 14 vezes para o All-Star Game e foi o cestinha da NBA em dez temporadas. Foto: Getty Images'Jordan Rules': esse era o método adotado pelo Detroit Pistons quando enfrentava o astro do Bulls, colocando até três jogadores na marcação. Foto: ReproduçãoO New York Knicks era freguês de Jordan. Com ele em quadra, o Bulls nunca perdeu uma série de playoff para o time nova-iorquino. Foto: Getty ImagesEm 1991, Jordan superou Magic Johnson na final contra o Los Angeles Lakers e conduziu o Bulls ao primeiro título. Foto: Getty ImagesApós o primeiro título, Jordan abraçou o troféu de campeão e não segurou as lágrimas. Foto: Getty ImagesNo ano seguinte, Jordan levou o Bulls ao segundo título seguido, conquistado sobre o Portland Trail Blazers. Foto: Getty ImagesEm 1992, fez parte do Dream Team, seleção dos EUA que conquistou o ouro nas Olimpíadas de Barcelona e encantou o mundo. Foto: Getty ImagesTerceiro título do Bulls foi conquistado em 1993, sobre o Phoenix Suns de Charles Barkley. Foto: Getty ImagesNo dia 6 de outubro de 1993, Jordan anunciou a aposentadoria dizendo ter 'perdido o desejo de jogar basquete'. Foto: Getty ImagesApós deixar o basquete, tentou a sorte no beisebol. Foto: Getty ImagesA experiência no beisebol foi um fiasco. Em março de 1995, ele anunciou seu retorno ao Bulls. Foto: Getty ImagesAo voltar ao basquete, Jordan passou a utilizar a camisa 45, mesmo número que usava no beisebol. Foto: Getty ImagesNão demorou muito, porém, para ele voltar a utilizar o número 23. Foto: Getty ImagesNa temporada em que Jordan voltou, o Bulls foi eliminado pelo Orlando Magic nos playoffs. Mas o time retomou o caminho dos títulos nos anos seguintes. Foto: Getty ImagesRival de Jordan nos tempos em que atuava no Detroit Pistons, Dennis Rodman se juntou ao Bulls para a temporada 1995/96. Foto: Getty ImagesCom 72 vitórias e apenas dez derrotas na temporada 1995/96, o Bulls registrou a melhor campanha da história da NBA. Foto: Getty ImagesO bom desempenho foi coroado com o título sobre o Seattle Supersonics, o quarto de Jordan e do Bulls. Foto: Getty ImagesEm 1996, Jordan estrelou o filme Space Jam, ao lado dos personagens do Looney Tunes. Foto: Getty Images'Flu Game': mesmo com febre, Jordan entrou em quadra no quinto jogo da final de 1997. Teve 38 pontos, sete rebotes e cinco assistências. Foto: Getty ImagesAo vencer a final contra o Utah Jazz em 1997, Jordan e o Bulls faturaram o quinto título em sete anos. Foto: Getty ImagesJordan encara Kobe Bryant no All-Star Game de 1998. Astro do Bulls foi o MVP do evento pela terceira vez. Foto: Getty ImagesNa final de 1998, o adversário foi mais uma vez o Utah Jazz. Foto: Getty ImagesArremesso certeiro nos segundos finais do jogo 6 da decisão de 1998 deu ao Bulls o sexto título. Foi a última cesta de Jordan pelo time de Chicago. Foto: ReproduçãoNo dia 13 de janeiro de 1999, após o sexto título do Bulls, Jordan anunciou aposentadoria pela segunda vez. Foto: Getty ImagesO segundo retorno de aposentadoria de Jordan aconteceu em 2001, quando se juntou ao Washington Wizards. Jogou dois anos antes de parar de vez. Foto: Getty ImagesPelo Wizards, Jordan acabou enfrentando o Chicago Bulls. Foto: Getty ImagesNo reencontro, a torcida demonstrou o mesmo carinho pelo ídolo dos anos anteriores. Foto: Getty ImagesO jogo do Wizards contra o Philadelphia 76ers no dia 16 de abril de 2003 foi o último da carreira de Jordan. Foto: Getty ImagesÚltimo ponto da carreira foi marcado em um lance livre. Após o acerto, Jordan saiu de quadra aplaudido por torcida, companheiros e adversários. Foto: Getty ImagesMichael Jordan e Kobe Bryant frente a frente no "All-Star Game" de 2003. Foto: Getty ImagesEm 2009, foi indicado ao Hall da Fama do basquete e se emocionou na cerimônia. Foto: Getty ImagesJordan encontrou Michael Phelps durante evento em 2012, após nadador quebrar recorde de medalhas olímpicas em Londres. Foto: APEstátua de Michael Jordan na entrada do United Center, ginásio do Chicago Bulls. Foto: Reprodução


Cesta do título universitário

Antes mesmo de entrar na NBA, Jordan já mostrou ao mundo seu poder de decisão dentro de uma quadra de basquete. Foi dele a cesta que deu à Universidade de North Carolina o título da NCAA em 1982 contra Georgetown - que contava com Patrick Ewing, pivô que acabaria se tornando um dos principais ídolos da história do New York Knicks.


"Era Deus disfarçado de Jordan"

A frase foi dita por Larry Bird, astro do Boston Celtics, em 20 de abril de 1986. Neste dia, seu time venceu o Chicago Bulls dentro de casa por 135 a 131 após duas prorrogações, em partida válida pela primeira fase dos playoffs, e deu mais um passo na caminhada que culminaria no título daquele campeonato. Mas quem chamou a atenção no duelo foi Jordan, que anotou 63 pontos - registrando o recorde de pontuação em uma única partida nos playoffs da NBA que dura até hoje.


Nem com marcação

Apesar da forte marcação de Craig Ehlo, Jordan conseguiu fazer a cesta que definiu a vitória do Chicago Bulls por 101 a 100 no quinto e decisivo jogo da série contra o Cleveland Cavaliers. O duelo era válido pela primeira fase dos playoffs de 1989.


Maior pontuação da carreira

No dia 28 de março de 1990, o Chicago Bulls venceu o Cleveland Cavaliers fora de casa por 117 a 113 na prorrogação graças a uma das atuações mais inspiradas de Jordan. Com 23 arremessos certos em 37 tentados, marcou 69 pontos, registrando sua maior pontuação da carreira. Além disso, pegou 18 rebotes, deu seis assistências e teve quatro roubos de bola.


A mudança de mãos

Jordan partiu para a enterrada. Mas, ao perceber a movimentação da defesa do Los Angeles Lakers, resolveu finalizar o lance de uma outra maneira. O lance aconteceu no segundo jogo da decisão de 1991 e é considerado um dos mais criativos do ex-atleta. O Chicago Bulls conquistou naquele dia a primeira das quatro vitórias consecutivas que resultaram no seu título.


Lance livre de olhos fechados

O Chicago Bulls visitou o Denver Nuggets no dia 23 de novembro de 1991 e venceu por 107 a 100. Restando quatro segundos, Jordan sofreu falta quando partia para a enterrada. Depois de acertar o primeiro lance livre, ele ouviu provocação de Dikembe Mutombo, então pivô novato do Nuggets. Ele respondeu: "Ei, Mutombo. Esse aqui é pra você”, e cobrou o segundo lance livre com os olhos fechados. A bola entrou.


Surpreso

No jogo 1 da decisão de 1992, contra o Portland Trail Blazers, Jordan acertou seis bolas de três e somou 35 pontos antes do intervalo - ambas as marcas representam recordes em uma metade na história dos playoffs da NBA. Após o sexto chute de três convertido, Jordan encolheu os ombros, indicando surpresa com o ocorrido. O Chicago Bulls venceu a partida por 122 a 89 e acabou se sagrando bicampeão naquele ano.


O "jogo da febre"

Um vírus estomacal colocou em dúvida a presença de Jordan na quinta partida da decisão de 1997. A série do Chicago Bulls contra o Utah Jazz estava empatada em 2 a 2, e o time de Salt Lake City atuaria dentro de casa. Mesmo com febre, ele entrou em quadra naquele dia 11 de junho.

Durante o segundo quarto do jogo, o Jazz chegou a abrir 16 pontos de vantagem. Mas Jordan comandou a reação e a virada da equipe visitante no decorrer do duelo. Apesar de estar debilitado, ficou em quadra por 44 minutos. Somou 38 pontos, sete rebotes, cinco assistências e três roubos de bola.


Na última bola

Em 1998, o Chicago Bulls também decidiu o título da NBA com o Utah Jazz. Liderando a série por 3 a 2, o time tinha a chance de se sagrar campeão pela sexta vez no mesmo palco do "Flu Game" do ano anterior. O Jazz, no entanto, entrou no último minuto de jogo naquele dia 14 de junho ganhando por 86 a 83. Foi quando Jordan mostrou ao mundo por que está acima dos demais jogadores da história do basquete.

Primeiro, ele fez uma bandeja rápida para diminuir a diferença para apenas um ponto. Depois, na defesa, desarmou Karl Malone, principal estrela da equipe adversária, e partiu para buscar a virada. Depois de gastar o tempo, encarou a marcação de Bryon Russell, deixou o rival no chão, subiu para o arremesso e fez a cesta. O lance, que definiu a virada e o título, foi o último de Jordan com a camisa do Bulls.


43 pontos com 40 anos

No dia 21 de fevereiro de 2003, Jordan mostrou que ainda era capaz de jogar em alto nível aos 40 anos. Atuando pelo Washington Wizards, marcou 43 pontos na vitória sobre o New Jersey Nets por 89 a 86. Foi a primeira vez que um jogador com pelo menos 40 anos de idade atingiu esta pontuação em uma partida da NBA. Além disso, saiu de quadra com um "double-double" ao pegar dez rebotes.


Despedida do basquete

Jordan se despediu do basquete de maneira definitiva no dia 16 de abril de 2003, defendendo o Wizards. A partida do adeus aconteceu contra o Philadelphia 76ers, fora de casa, e terminou com vitória tranquila dos mandantes. Mas a torcida local resolveu fazer festa para o craque, levando cartazes para homenageá-lo.

Nos minutos finais, Jordan estava no banco, e os torcedores no ginásio começaram a gritar pedindo sua entrada em quadra. Doug Collins, treinador do Wizards, atendeu o pedido. Restando pouco menos de dois minutos no relógio, ele sofreu falta e foi cobrar dois lances livres. Após o segundo arremesso, foi novamente tirado de quadra para ser ovacionado por todos que ali estavam: torcedores, companheiros e jogadores do time adversário. Era o ponto final da carreira do principal atleta da história do basquete.


Leia tudo sobre: NBAMichael Jordan

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas