Valor dos sete convênios assinados com a entidade soma quase R$ 16 milhões e é o maior investimento público na modalidade

Carlos Nunes (presidente da CBB), Hortência (diretora de seleções femininas) e Aldo Rebelo (Ministro de Esportes)
Divulgação
Carlos Nunes (presidente da CBB), Hortência (diretora de seleções femininas) e Aldo Rebelo (Ministro de Esportes)

A CBB (Confederação Brasileira de Basquete) assinou nesta quarta-feira, em Brasília, sete convênios com o Ministério do Esporte para garantir estrutura para as seleções e fomentar o basquete no país. O valor soma quase R$ 16 milhões e é o maior investimento público na modalidade.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Ricardo Leyser, secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento, considera esse apoio como o maior que o país já destinou ao basquete. "Com a CBB são sete importantes convênios. Nós temos desde equipamentos a tecnologia, o que é fundamental para termos condições de treinamento e de análise dos outros times. Nós também preparamos quatro seleções principais: duas adultas e duas de base, que vão ter toda a experiência internacional", disse.

O presidente da CBB, Carlos Nunes, julga que esses acordos são fundamentais para desenvolver os projetos programados para o basquete nos próximos anos. “Esses convênios assinados vêm nos contemplar e dar tranquilidade para executarmos um planejamento já previamente aprovado, que visa não só a Olimpíada de 2016, mas também os Campeonato Mundiais até 2014”, avaliou.

Ex-jogadora e atual diretora de seleções femininas da CBB, Hortência Marcari lembra que os convênios não são os primeiros que foram fechados com o Ministério do Esporte. “É uma garantia que nós temos que o nosso planejamento vai ser executado exatamente como está ali. A gente já fez outras parcerias com o Ministério, como a da seleção brasileira Sub-19, que tivemos um planejamento todo executado e subimos ao pódio no Campeonato Mundial, em 2011”, recorda.

Os sete projetos aprovados envolvem as seleções adulta e sub 19 (feminina e masculina), a ENTB (Escola Nacional de Treinadores de Basquete), além de infraestrutura de quadra (pisos, tabelas, placares e cronômetros de 24s) e software.

Vale lembrar que o patrocínio da CBB ficou comprometido após a diminuição do valor investido pela Eletrobrás, que deixou de ser a anunciante master.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.