iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Basquete

19/11 - 17:10

Destaque do último Nacional, Natália tenta a sorte na Letônia

Armadora Natália Burian deu novo destino a sua carreira e tem feito uma temporada regular, apesar do frio e idioma

Gazeta Esportiva

RIGA (Letônia) - Depois de ser um dos destaques da equipe do Açúcar Cometa/Unimed/Catanduva no Campeonato Nacional feminino de 2007, a armadora Natália Burian deu novo destino a sua carreira e trocou o Brasil pela Letônia, onde está defendendo o TTT Riga na Euroliga. A jogadora de 24 anos afirma estar se adaptando bem ao frio e ao idioma e tem feito uma temporada regular com médias de 4.4 pontos por jogo (22 no total), 3.6 rebotes (18) e 1.8 assistências (9).

'Estou tentando aprender a falar o letão e a me adaptar ao estilo de jogar daqui e acho que estou me virando bem. Vim para cá em busca de experiência e sigo buscando conquistar o meu espaço nesse novo lugar. Acredito que será uma vivência super valida para mim, tanto pessoal quanto profissional', diz a jogadora, que confessa ter o frio como maior desafio na mudança. 'Tem dias que nem dá vontade de sair de casa de tão gelado que é o clima. Já me falaram que vai chegar a fazer 28 graus negativos. Só de pensar eu já fico com medo'.

De olho na classificação para os playoffs da competição e no título nacional, ela destaca a evolução de sua equipe, que também está em formação. 'O grupo é novo, falta um pouco de experiência. Mas os nossos pontos fortes são a garra e a união. Nós nunca desistimos em quadra. Precisamos aprender a jogar com um pouco mais de equilíbrio, saber dosar mais o jogo quando for preciso. Mais isso vamos desenvolver com o tempo'.

Segundo Natália, o basquete brasileiro tem status na Letônia. 'O basquete do Brasil é bastante respeitado por aqui, pois gostam muito do nosso estilo de jogo. Tanto que várias atletas brasileiras já vieram trabalhar aqui, como Micaela, Karina Jacob, Iziane e Flávia Luiza', lembra. Para ela, a oportunidade de participar de um evento como a Euroliga tem sido marcante.

'É uma competição bastante forte e ainda estou tentando me adaptar. Enfrento grandes equipes e excelentes jogadoras do mundo inteiro. Isso para mim está sendo maravilhoso, pois estou ganhando bastante experiência e buscando crescer cada vez mais'.

Apesar da nova oportunidade, a armadora deixa claro que não pretende mudar seu estilo de jogo. 'Eu estava acostumada a jogar somente em velocidade. Agora estou aprendendo a cadenciar o ritmo, jogar com mais calma. Não quero perder meu estilo, mas aprimorá-lo, sabendo qual a hora de acelerar ou segurar mais o jogo'.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias