Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Neurocirurgião garante que quadro de Sondermann era irreversível

Em entrevista concedida nesta segunda, Dr. Pagura garante que o tempo no atendimento não interferiu na morte do piloto

Warm Up |

Gustavo Sondermann não morreu na pista de Interlagos, mas o impacto sofrido pelo acidente provocou um movimento brusco de sua cabeça e fez com que seu quadro clínico caminhasse para um coma — e, depois das avaliações médicas protocolares, à morte encefálica. E o tempo para ser atendido não teve influência no resultado. As afirmações foram dadas pelo Dr. Jorge Pagura, neurocirurgião do Hospital São Luiz, em entrevista na noite desta segunda-feira.

Divulgação
Sondermann teve danos cerebrais irreparáveis
Dr. Pagura é uma sumidade em sua especialização e cuidou dos casos do narrador esportivo Osmar Santos, que sofreu um acidente de carro em 1994, e do ator Gerson Brenner, baleado ao reagir a um assalto há quase 13 anos. No automobilismo, trabalhou por dez anos no atendimento do GP do Brasil tanto na época de Jacarepaguá quanto nos primeiros anos em Interlagos. Gustavo foi atendido e reanimado ainda na pista pela equipe médica da Stock Car, sob o comando do médico Dino Altmann, e logo em seguida foi entregue ao neurocirurgião. E "com os dados de falta de movimento respiratório, reatividade e pupila dilatada, a gente deu o diagnóstico como irreversível", contou.

No domingo, houve a confirmação do estado de Sondermann, conduzindo à conclusão de que houvera morte cerebral. O Dr. Pagura explicou, contudo, que a falência encefálica só foi corroborada na manhã desta segunda, às 10h. "A morte encefálica é outro procedimento (diferente do estado irreversível). Porque hoje em dia a morte encefálica é considerada morte clínica, e aí você tem uns parâmetros para obedecer", explicou.

Do autódromo ao hospital, Sondermann levou 15 minutos. Mas pouco mudaria se tivesse sido eventualmente mais rápido. "O quadro dele era muito grave", pontuou Dr. Jorge. "O trauma foi tão grande que, se tivesse acontecido aqui em frente, talvez o resultado teria sido o mesmo", completou.

Leia tudo sobre: Gustavo SondermannJorge Pagura

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG