Tamanho do texto

Mais recente, categoria conta quatro mortos em um período em que a Fórmula 1 não teve nenhum

No domingo (16), durante a etapa de Las Vegas da IndyCar – a última do campeonato – o britânico Dan Wheldon morreu após acidente que envolveu 15 carros. O piloto tornou-se a quarta vítima de acidentes fatais desde que a categoria foi fundada, a primeira em uma corrida. O número de óbitos é bem inferior que o da Fórmula 1, que soma 27 em 61 anos. Porém, desde que a Indy começou a ter provas, nenhum piloto morreu na F1.

Veja também: Com Wheldon, sobe o número de tragédias no automobilismo em 2011

A Indy Racing League, fundada em 1994, teve suas primeiras corridas em 1996. E, logo em sua primeira temporada, já registrou seu primeiro óbito. O americano Scott Brayton, durante um treino em Indianápolis, morreu após rodar e chocar-se contra o muro. Em homenagem ao piloto, o autódromo local criou um troféu com seu nome para condecorar o piloto de melhor atitude de cada edição das 500 milhas. Os brasileiros Helio Castroneves, em 2004, Tony Kanaan, em 2007, e Vitor Meira, em 2008, já receberam esta honraria.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Também em Indianápolis, o americano Tony Renna morreu no dia 22 de outubro de 2003, quando fazia um teste de pneus durante a intertemporada. Três anos mais tarde, em treino para a etapa de Homestead-Miami, o também americano Paul Dana foi vítima de um acidente fatal.

Com campeonatos desde 1950, a Fórmula 1 já fez muito mais vítimas do que a Indy. 27 pilotos já morreram em treinos, classificatórios e corridas da categoria. Porém, a F1 não tem um acidente fatal há 17 anos.

O último a morrer em um evento oficial da Fórmula 1 foi o brasileiro Ayrton Senna , vítima de acidente no Grande Prêmio de San Marino disputado no dia 1º de maio de 1994. Vale lembrar que um dia antes, no treino classificatório para a prova, o austríaco Roland Ratzenberger também morreu no local.

Fundada em 1949, a MotoGP fez 24 vítimas, três a menos do que a F1. O último óbito, no entanto, é muito mais recente. No dia 5 de setembro do ano passado, coincidentemente em San Marino, o japonês Shoya Tomizawa morreu após acidente em corrida da recém criada Moto2.

Tomizawa caiu por conta de danos em seu pneu traseiro e acabou atingido pelas motos de Scott Redding e Alex de Angelis, que não tiveram tempo hábil para evitar o choque. O japonês não resistiu aos danos.

Principal categoria do automobilismo brasileiro, a Stock Car , que teve sua primeira corrida em 1979, já viu quatro pilotos morrerem em eventos oficiais da categoria. O último deles foi Gustavo Sondermann, em abril deste ano, vítima de acidente fatal na Copa Montana.

Zeca Gregoricinski, em 1985, Laércio Justino, em 2001, e Rafael Sperafico, em 2007, também morreram nas pistas brasileiras. Justino sofreu seu acidente em Brasília – foi o único dos quatro incidentes fatais que não aconteceu no Autódromo de Interlagos.

2003 foi o último ano com dois acidentes fatais

Neste ano, dois pilotos morreram enquanto corriam. Além de Wheldon, da Indy, Gustavo Sondermann foi vítima de acidente fatal na Copa Montana, uma espécie de categoria de acesso da Stock Car.

Contando as categorias citadas – Indy, Fórmula 1, MotoGP e Stock Car – a última vez que isso aconteceu foi em 2003. Naquele ano, alem de Tony Renna, segunda vítima de acidente fatal na Indy, o japonês Daijiro Kato morreu durante a disputa do Grande Prêmio do Japão de MotoGP.

Veja o número de mortes de categorias do automobilismo nacional e internacional:

Categoria Número de mortes Idade da categoria Última morte
Indy 4 15 anos 2011
Fórmula 1 27 61 anos 1994
MotoGP 24 62 anos 2010
Stock Car 4 32 anos 2011

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.