Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Grandes categorias não tinham três mortes no mesmo ano desde 1977

Marco Simoncelli, na MotoGP, Dan Wheldon, na IndyCar, e Gustavo Sondermann, na Copa Montana, foram vítimas de acidentes em 2011

iG São Paulo |

A morte de Marco Simoncelli no último domingo (23), depois de um acidente durante o Grande Prêmio da Malásia de MotoGP, se tornou a 25ª da história da categoria. Além disso, foi a terceira morte no automobilismo em 2011 levando-se em conta as três principais categorias internacionais – Fórmula 1, IndyCar e MotoGP – e a mais importante categoria brasileira, a StockCar. As outras tragédias tinham acontecido com Gustavo Sondermann, em prova da Copa Montana, e com Dan Wheldon, na etapa de Las Vegas da Indy. Foi a primeira vez desde 1977 que três pilotos dessas categorias morrem na mesma temporada.

Veja também: Pilotos de diversas categorias homenageiam Simoncelli no Twitter

Naquele ano, só a MotoGP, fundada em 1949, e a Fórmula 1, que teve suas primeiras atividades no ano seguinte, já existiam. A Stock Car começou em 1979, enquanto a Indy existe em seu modelo atual desde 1996.

Leia também: Equipes do Campeonato Italiano homenageiam Simoncelli

Duas das vítimas de 1977 morreram nos monopostos da F1. O britânico Tom Pryce, em acidente durante o GP da África do Sul, e o australiano Brian McGuire, que perdeu a vida em um treino na Grã-Bretanha. Na mesma temporada, mas na MotoGP, o suíço Ulrich Graf foi vítima fatal de acidente no GP da Croácia.

Os anos 1970, aliás, podem ser considerados os mais trágicos da história do automobilismo. 21 pilotos morreram entre 70 e 79. Em 1970, foram cinco vítimas de acidentes fatais, maior número em apenas uma temporada até os dias de hoje.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Naquele ano, o austríaco Jochen Rindt e os britânicos Martin Brain e Piers Courage morreram na F1, enquanto o italiano Angelo Bergamonti e o alemão Gunter Bartusch perderam suas vidas na MotoGP.

Os anos de 1958, 1960 e 1973 também estão entre mais tristes da história do automobilismo, já que viram quatro pilotos morrerem nas pistas. A exemplo de 1977 e 2011, 1951, 1953, 1955, 1957, 1961, 1971 e 1974 também tiveram três óbitos.

MotoGP se aproxima da Fórmula 1

Mais antiga, a MotoGP não é a categoria com mais vítimas de acidentes fatais. Marco Simoncelli foi a 25ª, enquanto a F1 já soma 27. Mas o último piloto a morrer no campeonato de monopostos foi Ayrton Senna, em 1994. De lá para cá, enquanto a F1 não teve nenhum acidente fatal, a MotoGP já soma três casos.

Motociclismo também tem ano triste no Brasil

Neste ano, um acidente vitimou uma das principais promessas do motocross brasileiro. Swian Zanoni, de apenas 23 anos, morreu em Orizânia, cidade do interior mineiro, durante a realização de um evento pirata – ou seja, não homologado pela Confederação Brasileira de Motocross (CBM).

Apesar de jovem, o piloto já colecionava títulos: foi campeão de competições nacionais como o Arenacross 2010, na categoria Pró, da Superliga Brasil de Motocross 2010, na categoria MX2, e da Copa Brigadeiro Motocross de 2010, nas categorias MX2 e MX1. Ele estrou no Mundial deste ano como único representante do Brasil na competição.

Leia tudo sobre: Marco SimoncelliDan WheldonGustavo SondermannMotoGP

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG