Piloto aproveitou problema de Bird na largada, assumiu a liderança e venceu a primeira prova do fim de semana. Razia abandonou

Divulgação
O italiano Davide Valsecchi venceu a primeira prova do fim de semana em Mônaco
Regularidade e experiência são características da pilotagem de Davide Valsecchi. E, em uma corrida que largou com 26 carros e teve, ao seu fim, apenas 15, tais qualidades foram fundamentais para que o italiano da Air Asia vencesse a primeira corrida da GP2 em Mônaco.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

O segundo colocado foi Álvaro Parente, outro veterano da categoria, aproveitando a sua importante oportunidade na Racing Engineering. Em seguida, ficou outro conhecido de longa data: Luca Filippi, da Super Nova.

Para fechar o grupo dos pilotos mais experimentados, a quarta posição ficou com Romain Grosjean, que demonstrou por que é um dos pilotos mais qualificados da categoria — se não for o melhor, tecnicamente.

O quinto foi Stefano Coletti, seguido por Josef Král. Na pista, Oliver Turvey cruzou em sétimo, mas foi punido após a prova, caindo para 15º. Assim, Max Chilton, seu companheiro na Carlin, subiu para a posição de Turvey, deixando Charles Pic com a oitava posição e a pole da segunda corrida do fim de semana, neste sábado (23), às 11h10 (de Brasília).

Saiba como foi a primeira corrida da GP2 em Mônaco

A alegria de Sam Bird durou pouco mais de 12 horas. O britânico, que herdou a pole-position após a punição deflagrada a Giedo van der Garde, não conseguiu largar, perdendo todas as posições. Seu carro da iSport deu apenas um "salto", parando em seguida. Por isso, cruzou a primeira volta mais de 20s atrás do penúltimo colocado.

No mais, as primeiras voltas foram tranquilas, com Valsecchi à frente de Parente, e os dois um pouco mais distantes de Stefano Coletti, terceiro. Van der Garde vinha em quarto, pressionado por Jules Bianchi, quinto. Mais atrás, completavam a zona de pontuação Josef Král, Esteban Gutiérrez e Max Chilton.

Cinco pilotos tentaram antecipar suas paradas, o que, no fim, não se revelou uma grande estratégia. Charles Pic, Dani Clos, Jolyon Palmer, Kevin Mirocha e Michael Herck fizeram pit-stops precoces e, destes, só Pic ficou entre os dez primeiros - os outros ou abandonaram ou ficaram nos últimos lugares.

Na volta 11, Bianchi fez mais uma de suas trapalhadas, errando a freada na saída do túnel e atingindo a traseira do carro de Van der Garde. O piloto ainda teve problemas na hora de trocar o bico e recebeu, como punição pela besteira, um drive-through. O holandês, por sua vez, foi obrigado a trocar a asa traseira danificada pelo toque de Bianchi. Na mesma volta, Pal Varhaug bateu na Rascasse e abandonou.

O pesadelo de Bianchi continuou até depois de abandonar: o piloto provavelmente seria punido com outro drive-through, desta vez por queimar a largada, se estivesse na prova. Outros dois que infringiram a regra, Fairuz Fauzy e Oliver Turvey. O malaio cumpriu a sanção. O inglês tentou ser esperto e completou a corrida sem passar pelos boxes. Depois do fim da prova, foi punido com o acréscimo de 30s em seu tempo final, o que causou sua queda de sétimo para 15º colocado.

Ainda sem fazer sua parada, Kevin Ceccon segurava um pelotão de nove carros, entre eles Rodolfo González e Luiz Razia. Os dois se chocaram e abandonaram a prova. Pouco depois, outro acidente: Clos, que parou cedo, bateu na Mirabeau. Lá na frente, tudo igual, com Valsecchi liderando à frente de Parente e Filippi — que, apesar de problemas em seu pit-stop, conseguiu voltar à frente de Grosjean.

Não houve mais grandes disputas pelas primeiras colocações. Em compensação, lá atrás... Talvez nervoso com a perda de tantas posições na largada, Sam Bird provocou um acidente na curva Anthony Noghes, que fecha o circuito de Mônaco, com o companheiro de iSport, Marcus Ericsson. A batida foi uma repetição do que havia acontecido na classificação. Pouco depois, Ericsson tentou dar o troco pela posição perdida, jogando o teoricamente parceiro no muro da Mirabeau baixa.

A confusão resultou no abandono dos dois pilotos - Bird com a suspensão quebrada e Ericsson por conta da quebra de sua asa traseira. Paul Jackson, chefe da iSport, vai ter trabalho nesta semana para acalmar os ânimos de seus garotos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.