Piloto da Colini venceu sua terceira prova na categoria. Razia abandonou

Divulgação
Luca Filippi, vencedor da primeira corrida do fim de semana em Nurbirgring
Não faltaram motivos para que Luca Filippi comemorasse neste sábado (23). Na sua 100ª corrida pela GP2 , na estreia pela Coloni, o italiano venceu com a ajuda da equipe. Foi a sua terceira vitória pela categoria, a primeira desde a prova final da temporada 2009. Filippi ganhou a primeira posição, que era de Charles Pic, na parada obrigatória de boxes.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Pic terminou em segundo, seguido por Romain Grosjean, que terminou na mesma posição em que largou. Jules Bianchi foi o quarto colocado, seguido por Marcus Ericsson. Giedo van der Garde perdeu rendimento no fim e terminou em sexto.

O sétimo foi Dani Clos, da Racing Engineering. Sam Bird, da iSport, foi o oitavo e vai largar na pole na corrida deste domingo (24). Fabio Leimer acabou em nono, à frente de Rodolfo González.

Foi a primeira vitória em corrida principal — a primeira, mais longa — da história da Coloni. A equipe, que chegou à GP2 com o fim da FMS, só havia vencido uma prova curta, com Luiz Razia , na Itália, em 2009.

Saiba como foi a primeira corrida da GP2 na Alemanha, em Nürburgring

Na largada, Pic foi muito bem e logo abriu vantagem. Outro destaque foi Dani Clos, que saiu de 12º para sétimo. Mais atrás, Razia sofreu um toque de Marcus Ericsson e acabou caindo para 14º, quatro posições abaixo da que largou. Neste incidente, quem levou a pior foi Christian Vietoris, que teve de frear para não bater em Razia e acabou atingido por Valsecchi. Sem asa traseira, Vietoris acabou tendo de abandonar. Davide foi aos boxes e mudou a estratégia, antecipando a troca de pneus e mudando a asa dianteira.

Lá no fim do pelotão, a besteira do dia: Pal Varhaug tentou ultrapassar por dentro, superestimou seus freios e não conseguiu parar a tempo de não bater em Kevin Mirocha. O norueguês sequer conseguiu dar visibilidade à faixa negra que pôs no bico do carro em solidariedade às vítimas do atentado terrorista em seu país.

No retorno à bandeira verde, calmaria. Apenas pressão de Van der Garde em Grosjean pela terceira posição. Mas foi em vão. Na volta 7, o ritmo de Clos começou a cair, e o espanhol acabou ultrapassado por Álvaro Parente e Ericsson. Logo depois, Van der Garde, Gutiérrez e Josef Král anteciparam suas paradas. Quem foi aos boxes, mas não para um pit-stop, foi Julián Leal. O colombiano queimou a largada e teve de cumprir um drive-through.

Mais tarde, outros que receberam punições foram Gutiérrez e Stefano Coletti, ambos por terem sido liberados do pit-stop pela equipe em posição perigosa, pondo em risco o carro dos pilotos que passavam pelo local naquele momento.

Próximo da metade do treino, Valsecchi tomou um susto: perdeu, do nada, um pedaço de asa, tocou a grama e perdeu o controle do carro. Por pouco não bateu. Na volta 14, os dois ponteiros fizeram suas paradas. E Filippi, em sua estreia pela Coloni, conseguiu sair à frente de Pic, assumindo a liderança. Os mecânicos da equipe comemoraram muito a rapidez da parada.

Por alguns minutos, a calmaria do início voltou. Mas, à medida que a corrida se aproximava do fim, as disputas voltaram, também por conta do desgaste dos pneus. Razia, Bird e Clos tiveram bela briga no princípio da volta 29, com os dois últimos levando a melhor.

O brasileiro vinha numa evolução muito boa nas voltas finais, mostrando-se mais combativo. Numa disputa com Fabio Leimer, entretanto, o baiano da Air Asia resistiu à ultrapassagem e acabou tocado. O incidente resultou em danos na sua suspensão dianteira, o que encerrou prematuramente sua prova.

Na última volta, Ericsson ainda conseguiu passar Van der Garde pela quinta colocação, superando o companheiro Bird na primeira corrida. Na prova 2, entretanto, o britânico larga na pole, enquanto o sueco da iSport sai em quarto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.