Tamanho do texto

Mark Gillan apontou fatores técnicos como decisivos para a contratação do brasileiro

O chefe de operações da Williams, Mark Gillan, afirmou que o dinheiro não foi fator chave para a a contratação de Bruno Senna pela equipe, anunciada na terça-feira (17) .

Leia também: Bruno Senna diz que objetivo de 2012 é pontuar em todas as provas

Senna brigou pela vaga com outros pilotos mais experientes, como Rubens Barrichello e Adrian Sutil, mas foi o escolhido para disputar a temporada 2012 ao lado do venezuelano Pastor Madonado.

O brasileiro leva para a equipe fortes patrocinadores como a OGX, do empresário Eike Batista, a Gillette e a Embratel. No entanto, Gillan negou que isso tenha sido decisivo, citando outros fatores que influenciaram na escolha por Bruno.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

"Nós tomamos a decisão final baseados em um número de fatores como o ritmo do piloto, consistência, administração dos pneus, resposta técnica, condição física, capacidade mental e, mais importante, o impacto que ele teria na equipe. Em todas essas áreas, ficou muito claro que Bruno, apesar de não ter muita experiência em monopostos, mostrou avanços e um talento real”, explicou Gillan.

"Todos os pilotos avaliados passaram pelo mesmo processo e imediatamente fomos capazes de construir um relacionamento com Bruno. Ele é uma pessoa muito fácil de lidar”, completou.