Alemão reagiu bem a momentos de pressão e garantiu o título com quatro rodadas de antecipação. Relembre a campanha

O Grande Prêmio do Japão deste domingo (9) coroou a fantástica temporada de Sebastian Vettel, que conquistou o título com quatro provas ainda a serem disputadas até o fim do campeonato. Com a taça, o alemão se torna o bicampeão mais jovem da história da Fórmula 1 e coloca seu país como aquele que tem mais títulos mundiais na categoria – a Alemanha ultrapassou o Brasil e agora tem nove, empatada com a Inglaterra.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Para conquistar seu segundo título, Vettel venceu nove corridas, chegou quatro vezes na segunda colocação, uma na terceira e ficou fora do pódio apenas uma vez – com um quarto lugar no GP da Alemanha . Além disso, ele foi responsável por conquistar 12 poles em 15 classificatórios até aqui.

Confira a seguir como foi a campanha que consagrou Vettel como campeão da temporada 2011 da Fórmula 1

Em oito GPs Vettel conseguiu fazer dobradinha de pole e vitória. Foi assim logo na estreia da temporada, no GP da Austrália, e na etapa seguinte, na Malásia . Início que já deixava clara a vantagem do alemão da Red Bull no ano.

No GP da China veio o primeiro insucesso da temporada. Após largar mais uma vez na pole, Vettel foi superado por Lewis Hamilton nas voltas finais e acabou a corrida em segundo. Ali, o piloto da Red Bull se viu pressionado pela primeira vez no ano.

A resposta, no entanto, aconteceu em grande estilo. Foram mais três vitórias, obtidas de modo consecutivo, na Turquia , na Espanha e em Mônaco , sendo que só em uma delas, em Barcelona, o alemão não largou na frente.

No Canadá , no entanto, mais uma derrota, novamente para um piloto da McLaren. Em uma corrida que durou mais de quatro horas depois de ser interrompida pela chuva, foi Jenson Button quem superou Vettel, que mais uma vez havia largado na pole. Nessa corrida, aliás, o alemão foi questionado pela primeira vez no campeonato, já que errou na última volta, permitindo a ultrapassagem do britânico.

A pressão durou apenas até a próxima corrida, o GP da Europa . Em Valência, Vettel conseguiu mais uma pole, mais uma vitória, chegou a 186 pontos no campeonato e se firmou como principal candidato ao título mundial. Porém, a partir daí começou a pior sequência do piloto alemão na temporada.

Na Grã-Bretanha , pela segunda vez no ano, Vettel largou em segundo, mesma posição em que terminou a prova. Em casa, na Alemanha , o piloto da Red Bull teve seu pior fim de semana da temporada, largando em terceiro e terminando em quarto – foi a única vez no ano que ele ficou fora do pódio. Na Hungria , acabou sua seca de poles, mas não a de vitórias, já que o alemão terminou a prova em segundo, atrás de Button.

Deste modo, Vettel chegou ao GP da Bélgica , primeiro após as férias da F1, mais pressionado do que nunca na temporada. Mas respondeu bem a isso: conseguiu a pole position e venceu no fim de semana, repetindo, logo em seguida, o resultado nos GPs de Itália e de Cingapura .

Os três triunfos consecutivos deixaram Vettel em uma situação pra lá de confortável para o GP do Japão . O alemão chegou a Suzuka precisando de apenas um ponto para garantir o título matematicamente. E conseguiu. Apesar da vitória de Jenson Button e da segunda colocação de Fernando Alonso, o alemão completou o pódio e se tornou o bicampeão mundial mais jovem da história da categoria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.