Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Sedes ameaçam deixar F1 se novos motores não tiverem ronco alto

Brasil está entre os países que, em carta, se mostraram contra o novo regulamento proposto para 2014

iG São Paulo |

Recentemente, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) adiou a introdução de novas regras dos motores para 2014. O objetivo é que as peças sejam menos nocivas ao meio ambiente. Porém, a ideia não agradou aos países que recebem etapas do Mundial de Fórmula 1. A maioria das sedes – com exceção de China e Coreia – entregou uma carta para os organizadores da categoria ameaçando deixá-la casos os motores tenham menos de 18.000 rpm.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

De acordo com a carta, os organizadores das corridas – incluindo o Brasil – estão preocupados com o ronco dos motores, e pedem que ele se mantenha inalterado com o novo regulamento. Caso isso não aconteça, as sedes ameaçam deixar a F1 e passar a sediar eventos da Indy.

“Não queremos que nossa base de clientes seja destruída. Eu disse à FIA que os circuitos não vão concordar com isso. O barulho faz parte da marca”, disse Ronald Walker, chefe da organização do Grande Prêmio da Austrália, em entrevista ao jornal britânico Express.

Bernie Ecclestone, chefe da F1, disse à agencia de notícias alemã SID que está ciente da carta e que apoia a posição dos organizadores.

Leia tudo sobre: Bernie EcclestoneF1FIA

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG