Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Engenheiro brasileiro cuida do combustível da Ferrari desde 1999

Gilberto Pose atua dentro da garagem da escuderia italiana no GP do Brasil e conta como funciona seu trabalho

Lucas Pastore, iG São Paulo |

Desde 1999, um brasileiro trabalha em todos os GPs do Brasil dentro da garagem da Ferrari. Trata-se do engenheiro mecânico e automobilístico Gilberto Pose, responsável local pelo combustível usado pelos carros da escuderia italiana no Autódromo de Interlagos.

Veja também: Responda às perguntas e teste seu conhecimento sobre Interlagos

Fã confesso de Fórmula 1 desde os tempos de Emerson Fittipaldi e José Carlos Pace, Pose, de 54 anos, contou que nem sempre pensou que trabalharia com automobilismo. Segundo ele, aconteceu porque um de seus primeiros chefes na empresa fazia trabalho semelhante com a McLaren. Ao iG, o engenheiro explicou como funciona sua participação nos boxes da Ferrari neste fim de semana.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

“Temos uma equipe de aproximadamente 50 pessoas sediada na Inglaterra, nós temos um escritório lá que faz um trabalho de desenvolvimento de combustível e lubrificantes. Fora esse desenvolvimento, um laboratório móvel acompanha todas as corridas da Ferrari e é instalado dentro da garagem com a finalidade de analisar o combustível para saber se o produto ainda está dentro das especificações da FIA (Federação Internacional de Automobilismo)”, disse Pose, que trabalha neste laboratório quando a Ferrari vem ao Brasil.

“O combustível é enviado de avião para as corridas e depois é colocado dentro das máquinas que o transferem para dentro dos carros. Como você movimenta o combustível, ele é analisado para ver se não houve nenhuma interferência, nenhuma contaminação”, completou, destacando também a importância dos lubrificantes, que, após testes, conseguem identificar o nível de desgaste do motor.

Pose afirmou que a tecnologia aplicada nos combustíveis da Fórmula 1 chega logo aos carros de rua. E aposta que será assim também com outras inovações da categoria, como o Kers.

“Já temos motores que funcionam com gasolina e eletricidade, com a parte de gasolina abastecendo a elétrica”, contou.

Engenheiro crê em espaço para brasileiros na F1

Gilberto Pose é 100% formado no Brasil. O engenheiro prestou a Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) de São Bernardo (SP). Por isso, ele acredita que há espaço para brasileiros que estudaram no Brasil na Fórmula 1.

“É um pessoal bastante especializado, então quem quiser seguir esse lado tem que se especializar muito, vai começar lá embaixo, lustrando carenagem. Mas acho que é bom caminho sim”, disse Pose, que indicou as faculdades de engenharia e administração para quem quiser chegar à categoria.

Leia tudo sobre: F1Gilberto PoseShellFerrarifórmula 1

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG