Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Renault deseja fornecer motores para mais equipes em 2012

Diretor da montadora disse que já negocia com a Williams e outras escuderias interessadas

iG São Paulo |

A Renault vai apresentar um pedido oficial à FIA (Federação Internacional de Automobilismo) para expandir sua gama de fornecimento de motores para quatro equipes em 2012. Lotus Renault, Red Bull e Team Lotus já usam seus motores, mas a montadora francesa faz questão de acrescentar uma outra equipe à lista no próximo ano.

Siga o iG automobilismo no Twitter

O diretor da Renault Sport, Jean-François Caubet, revelou que o contato com a FIA é necessário, porque de acordo com as normas vigentes, o fabricante só tem permissão para fornecer peças a três equipes, mas poderá expandir essa condiçao se obtiver a autorização do órgão regulador.

Em entrevista ao site Autosport, Caubet disse: "queremos ter quatro equipes, mas temos de ter a aprovação da FIA, pois o limite é de apenas três. Pretendemos escrever (à FIA) assim que possível. Embora devamos ter um equilíbrio entre nós, a Cosworth e outras fornecedoras".

Segundo as fontes do site, o negócio mais provável seria com a Williams, tanto para 2012 como para 2013. Caubet disse havia também outras possibilidades ao ser perguntado sobre o andamento das negociações com a Williams. "Não é só com eles (que existe negociação)".

A Williams tem contrato com a Cosworth até o final de 2012, mas tudo indica que a escuderia britânica está avaliando suas opções, especialmente com a grande reforma nas regras de motores para 2013.

A Renault está inclinada a expandir seu negócio de fornecimento de motores, porque deseja ter a maior plataforma possível para os novos motores de 2013, quando as unidades de 1,6 litros de turbo carregados entrarão em vigência. 

"Estamos focando nosso trabalho de 2013, e o problema é que se você não fizer isso agora, nunca fará", disse o diretor. "Isso não é um problema apenas para a estratégia da Renault. Sabemos que há muita política em torno, mas temos um compromisso tão grande sobre esta questão que não há dúvidas. Estamos agora trabalhando com as equipes."

Caubet concluiu dizendo que um eventual atraso na introdução dos motores de 2013 seria um grande problema. "Se houver um atraso, a introdução não acontecerá nunca. Disse isso a todos, até mesmo à Bernie (Ecclestone) - se você disser 2015, você pode muito bem dizer nunca", concluiu.
 

Leia tudo sobre: Jean-François CaubetLotus Renault

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG