Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Primeiro título mundial de Piquet completa 30 anos

Especial do iG traz entrevistas com pilotos e ex-pilotos que falam sobre o desempenho do brasileiro em 1981

iG São Paulo |

Nesta segunda-feira (17), o primeiro título mundial de Nelson Piquet na Fórmula 1 comemora seu aniversário de 30 anos. O brasileiro sagrou-se campeão mundial pela primeira vez após terminar o Grande Prêmio da Las Vegas na quinta colocação. Depois, Piquet ainda levantaria a taça em 1983 e 1987.

Veja também: Em seu 150º GP, Felipe Massa completa um ano sem pódio

Piquet correu a temporada de 1981, sua quarta na F1, pela Brabham. Ele teve como principal adversário na briga pelo título o argentino Carlos Reutemann, então na Williams. E a batalha foi dura – o brasileiro assumiu a liderança somente após a última corrida, quando marcou dois pontos e viu o rival terminar em sétimo, fora da zona de pontuação.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Naquela temporada, Piquet venceu três provas: os GPs da Argentina, de San Marino e da Alemanha. Reutemann, por sua vez, triunfou apenas no Brasil e na Bélgica. Porém, o argentino, mais consistente, chegou à última corrida com 49 pontos, contra 48 do rival. Por isso, os dois pontos conquistados pelo brasileiro em Las Vegas foram a conta certa para o título.

Getty Images
Nelson Piquet com sua Brabham, em 1981, ano de seu primeiro título na F1

Para comemorar os 30 anos do título, o iG preparou uma série de matérias especiais sobre a conquista de Piquet. Foram ouvidos pilotos que competiram em 1981, como Héctor Rebaque, companheiro de equipe do brasileiro naquele ano, e Mario Andretti, campeão mundial de 1978. Compatriotas e contemporâneos de Piquet nas pistas, Chico Serra e Raul Boesel também falaram sobre o tricampeão. Além deles, Geraldo Piquet, filho de Nelson, opinou sobre o pai. Confira algumas das declarações mais importantes dos pilotos e ex-pilotos a seguir:

Piquet era um piloto muito interessado, um dos mais interessados na segurança da categoria, e acho que eu era também. Nós tínhamos algumas sugestões para melhorar a segurança do esporte, e foi dessa maneira que ele mais contribuiu, o que foi muito importante para a Fórmula 1.
Mario Andretti, campeão mundial em 1978 e 17º colocado em 1981

Piquet era um piloto muito completo e, na questão dos acertos, desempenhava muito bem a função.
Héctor Rebaque, companheiro de Piquet e décimo colocado em 1981

Ele era um piloto super conceituado. Todo mundo tinha respeito por ele. Em minha opinião, ele era um piloto muito técnico. Muito mais técnico do que arrojado.
Chico Serra, ex-piloto brasileiro, 25º colocado em 1981

Reprodução
A Brabham de Piquet no GP de Mônaco de 1981
. Uma das coisas que Piquet fazia sempre, desde a Fórmula 3, com o clima frio da Inglaterra, era esquentar o carro inteiro com aquecedores. Aquecia câmbio, pneus, motor, deixava o óleo mais fino e quente. Assim, com o carro já preparado, não perdia muitas voltas para realizar todo o processo. São coisas que estão até hoje na F1.
Raul Boesel, ex-piloto brasileiro, contemporâneo de Piquet na F1 em 1982 e 1983 (ano do segundo título de Nelson)

Para época ele era um piloto completo, sabia tudo de mecânica, sabia acertar e desenvolver o carro, sabia poupar o carro rápido. Pensava na corrida. Hoje em dia metade dessas coisas você não precisa ter, porque tudo é a eletrônica que faz.
Geraldo Piquet, piloto brasileiro, filho mais velho de Nelson

Leia tudo sobre: Nelson PiquetF1Mario AndrettiRaul BoeselChico Serra

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG