Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Piquet, Prost e Hunt inspiram pilotos na caça a Sebastian Vettel

Pilotos protagonizaram as viradas mais incríveis da história da Fórmula 1

Lucas Pastore, iG São Paulo |

Neste domingo (31), Sebastian Vettel chegou em segundo no Grande Prêmio da Hungria e ampliou sua liderança no Mundial de Pilotos. Nas demais corridas do ano, o alemão da Red Bull venceu seis provas, chegou três vezes na terceira colocação e ficou fora do pódio em apenas um GP, na Alemanha.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

A ótima campanha fez com que Vettel disparasse na liderança do Mundial, com 234 pontos. São 85 a mais do que o vice-líder, o seu companheiro de equipe, Mark Webber. Na sequência da tabela, Lewis Hamilton tem 88 pontos de desvantagem para o líder e Fernando Alonso, 89.

Faltando oito provas para o fim do campeonato, e 200 pontos em disputa, é difícil imaginar a taça com outro piloto que não Vettel. Mas ao longo de seus 61 anos de existência, a Fórmula 1 já presenciou algumas grandes viradas, o que dá certo alento para os rivais do piloto da Red Bull.

A maior virada da história da categoria aconteceu em 1976. Naquela temporada, tudo levava a crer que Niki Lauda conquistaria seu segundo título mundial. O ferrarista venceu duas das três primeiras corridas do ano. O piloto logo abriu 24 pontos, contra seis de James Hunt, seu principal rival no campeonato – na época, uma vitória valia nove pontos – e pintou como grande favorito à taça.

Porém, uma quase tragédia mudou a história da temporada. Lauda chegou ao Grande Prêmio da Alemanha, décima etapa do campeonato, com 61 pontos – Hunt somava apenas 26. Após largar em segundo, o austríaco teve problemas na suspensão de sua Ferrari, não conseguiu fazer uma curva e bateu no muro. Depois do choque, o carro ainda voltou à pista e sofreu nova batida: Brett Lunger não conseguiu desviar do bólido do adversário. O carro de Lauda então pegou fogo, e o piloto sofreu graves queimaduras.

O austríaco perdeu os GPs da Áustria e da Holanda, e, em exemplo de superação, voltou a guiar já na Itália para as quatro corridas finais da temporada. Hunt já somava 47 pontos e protagonizou a principal virada da história da F1. O britânico venceu duas das quatro corridas que faltavam e, com o abandono de Lauda na última prova – disputada no Japão –, chegou em terceiro e garantiu seu primeiro e único título na F1, por apenas um ponto de vantagem: Hunt 69 x Lauda 68.

Um brasileiro também pode servir de inspiração para que os rivais continuem lutando para diminuir a diferença em relação a Vettel. Em 1983, Nelson Piquet chegou ao Grande Prêmio da Itália, antepenúltima etapa da temporada, com 37 pontos. Alain Prost somava 51 – como uma vitória valia nove pontos, uma virada parecia improvável. Mas ela veio.

Com duas vitórias e um terceiro lugar, Piquet contou também com a sorte, já que Prost abandonou duas vezes, para comemorar seu segundo título mundial. O brasileiro ainda chegaria ao tri em 1987.

Terceiros também têm esperança

Webber pode se inspirar em Hunt e em Piquet para tentar alcançar Vettel. Mas não é só o australiano que pode buscar motivação em temporadas antigas da F1. Quem está mais para trás ainda na classificação também tem exemplos de arrancadas que culminaram em belas viradas.

É o caso de Prost, que, em 1986, devolveu a virada que sofreu de Piquet. Após ser desclassificado do GP da Itália, o francês chegou a Portugal, palco da antepenúltima etapa da temporada, com 53 pontos, contra 56 do brasileiro.

A diferença é que, além de Piquet, Prost teria de superar também Mansell, então líder da temporada, com 61 pontos. Mas nenhum dos dois adversários foi suficiente para inibir o francês, que, com dois segundos lugares e uma vitória, ficou com a taça daquele ano.

Caso semelhante aconteceu mais recentemente, com Kimi Raikkonen. Então na Ferrari, o finlandês chegou no Japão, antepenúltima etapa do ano, com 74 pontos. Fernando Alonso e Lewis Hamilton, então dupla da McLaren, somavam 92 e 89, respectivamente. Mas, em um fim de ano emocionante, o ferrarista venceu duas provas e conseguiu um terceiro lugar, chegando a 110 pontos – seus dois rivais terminaram o ano com 109.

Leia tudo sobre: Sebastian VettelF1Lewis HamiltonMark Webber

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG