Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Para companheiro de equipe em 1981, Piquet era um piloto completo

Na 2ª entrevista do especial do iG Automobilismo sobre o 1º título mundial de Piquet, Héctor Rebaque fala da relação com o campeão

Rodrigo Vieira, iG São Paulo |

Héctor Rebaque é um nome pouco lembrado na Fórmula 1. Nem todos se recordam, por exemplo, que o mexicano teve participação importante no primeiro dos três títulos mundiais de Nelson Piquet, em 1981.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Naquela temporada, Piquet e Rebaque formavam a dupla de pilotos da Brabham. O desempenho dos companheiros, no entanto, foi completamente distinto. Enquanto Piquet venceu três provas no ano e garantiu o título com 50 pontos, o mexicano conseguiu completar apenas cinco das 15 corridas da temporada.

Rebaque ficou em décimo no Mundial de Pilotos, seu melhor ranking em toda carreira – na qual disputou 41 Grandes Prêmios ao todo e não conquistou nenhuma vitória.

Apesar da fraca campanha, Rebaque tem boas lembranças da temporada de 1981. Um dos motivos foi o seu “magnífico” relacionamento com Piquet, considerado pelo mexicano um piloto completo.

Getty Images
O piloto mexicano Héctor Rebaque, segundo da esquerda para a direita, em foto de 2002

Rebaque é o segundo entrevistado da série especial do iG Automobilismo sobre o primeiro título mundial de Nelson Piquet na Fórmula 1 ( confira aqui a conversa com Mario Andretti).

Além de falar sobre a temporada de 1981 e o título de Piquet, Rebaque, que atualmente trabalha como empresário na Cidade do México, contou também das suas expectativas com relação a Segio Pérez, piloto mexicano da Sauber, e apontou predileção pelo título do espanhol Fernando Alonso na temporada 2011 da Fórmula 1. Confira a seguir a entrevista exclusiva com Héctor Rebaque.

iG: Você e Piquet formaram uma dupla importante na Fórmula 1 em 1981. Quais são as suas recordações daquela temporada?
Rebaque: Foi uma temporada muito interessante por tudo o que aconteceu na Fórmula 1. Eu lembro que, por causa de uma hepatite, não corri o GP de abertura, na África do Sul (a prova foi cancelada pela FIA, mas os pilotos fizeram um acordo para realizá-la mesmo sem pontuação). Mas foi uma temporada bastante intensa.

iG: Como era a sua relação com Nelson Piquet?
Rebaque: Sempre nos demos muito bem. Houve momentos de discussão, mas nada relevante. Na verdade, nosso relacionamento era magnífico. Eu considero Nelson um bom amigo. Entre nós dois as coisas sempre foram ótimas. Faz tempo que não nos falamos, mas Nelson é um bom amigo, temos uma boa relação.

iG: O desempenho de vocês foi bem diferente na temporada. A que você atribuiu isso? Tem a ver com o acerto dos carros? Como eram feitos os acertos?
Rebaque: Cada piloto preparava seu carro e identificava suas particularidades. Sempre havia muita variável para mexer entre um carro e outro, mas no final das contas ambos ficavam com características parecidas. Nunca iguais, mas parecidas. Piquet era um piloto muito completo e, nessa questão dos acertos, desempenhava muito bem a função.

iG: No momento em que só havia chance de título para Piquet e Reutermann, você ajudou Piquet de alguma maneira nas pistas? Você torceu pelo brasileiro?
Rebaque: Éramos uma equipe. Talvez uma equipe melhor e mais unida do que as de hoje. No mínimo formávamos um time diferente dos que existem hoje na F1. Sempre tivemos uma boa relação. Os carros nem sempre funcionavam de maneira igual. Às vezes Piquet tinha alguns contratempos com seu bólido, às vezes era eu que tinha com o meu. Tive de me sacrificar muito durante a temporada. Não completei várias corridas.

iG: Qual é o melhor piloto com o qual você já fez parceria?
Rebaque: A verdade é que não tive muitos companheiros de equipe. Estava sozinho quando corri de Lotus. Mas já tive a oportunidade de trabalhar muito com o Mario (Andretti) e também com o Ronnie (Peterson). Com Carlos (Reutemann), a relação nunca foi muito próxima, na realidade, pois ele era um pouco mais reservado neste aspecto. Posteriormente, o meu companheiro foi Nelson, e as recordações são ótimas. Foi algo excepcional por termos atingido as expectativas da Brabham, com a conquista do mundial. Aquele momento foi muito importante para todos, pois no ano anterior a oportunidade de Piquet escapou na disputa contra o Alan Jones. Por isso, vencer o mundial foi um êxito muito grande. Obviamente que o campeão foi o Nelson, mas, para mim, que estava como companheiro de equipe, foi satisfatório auxiliá-lo na conquista de um título inédito até para Bernie Ecclestone (então chefe de equipe da Brabham).

iG: A Brabham começou aquela temporada como uma das favoritas. Quais eram os maiores adversários a superar?
Rebaque: A Brabham fechou a temporada de 80 com um carro bastante competitivo e estávamos esperançosos de manter essa condição para o ano seguinte, mesmo sabendo de todas as dificuldades. A Willians era definitivamente a equipe a ser batida em 81. A Renault também tinha bons momentos, mas foi mesmo com a Willians que a Brabham duelou até o final. A competição estava fortíssima. Em alguns GPs, o nosso carro tinha um desempenho superior. Em outros, a Willians se saia melhor. A Ferrari também era rápida.

iG: Quais são as suas expectativas com relação ao Sergio Pérez? O México pode sonhar com vitórias na Fórmula 1?
Rebaque: Creio que o Sergio Pérez chega à F1 com ótimas credenciais, haja vista o seu desempenho na Fórmula 2. Acredito que ele está preparado, devido ao seu contato com a escola europeia de automobilismo. As coisas podem ser boas, sim. Ele tem o apoio de um bom patrocinador. Desejo sorte a ele, que as coisas saiam bem.

iG: É dele a sua torcida para a temporada 2011?
Rebaque: Sim. Mas gosto muito do Fernando Alonso também. Vamos ver o que acontece no resto do ano com a Ferrari. O título de Vettel do ano passado foi merecido, ele está bem. Acho que será tudo bastante disputado.

iG: E sobre Felipe Massa e Rubens Barrichelo? O que pensa a respeito dos brasileiros da Fórmula 1?
Rebaque: Ambos têm carreiras interessantes e largas. Talvez não tenham dado tanta sorte, pois durante muito tempo foram tidos como segundos pilotos de Schumacher. Principalmente no caso de Rubens. Acho que isso o impediu de crescer. Já o Felipe deveria ter conquistado o título naquela corrida do Brasil (em 2008), mas são coisas que acontecem na F1.

Leia tudo sobre: nelson piquethéctor rebaquebrabham

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG