Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Montreal viu última vitória de Piquet e 1ª de Hamilton e Kubica

Circuito Gilles Villeneuve já teve também graves acidentes. Confira cinco momentos históricos da pista canadense

iG São Paulo |

No próximo domingo (12), o Grande Prêmio do Canadá receberá a sétima etapa da temporada da Fórmula 1. O circuito em Montreal, um dos mais queridos por pilotos e torcedores da categoria, começou a ser disputado em 1978, com o nome de Île Notre-Dame. Foi rebatizado em 1982 com o nome do principal ídolo do automobilismo canadense: Gilles Villeneuve, que morreu naquele ano.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Palco de corridas memoráveis, o circuito canadense foi responsável pela única prova da história da F1 encerrada com o safety car na pista - em 1998. Mas o GP daquela temporada não foi o único conturbado em sua história. Em 1990, por exemplo, Ayrton Senna venceu a corrida canadense com apenas outros quatro pilotos na pista. No ano seguinte, Nelson Piquet conquistou sua última vitória na F1 após ultrapassar Nigel Mansell na volta final.

Mas o GP em Montreal teve também lances inglórios, como alguns graves acidentes. Em 1982, logo na largada, Riccardo Paletti morreu após forte batida. Vinte e cinco anos depois, foi a vez de Robert Kubica bater com gravidade, mas o polonês escapou ileso.

Confira esses e outros momentos históricos da prova em Montreal:

1) Largada trágica

Pouco mais de um mês depois da morte de Gilles Villeneuve em 1982, a Fórmula 1 chegou ao Canadá com um clima triste. Para piorar a situação, um acidente fatal logo no início da prova em Montreal marcou o fim de semana da corrida. A Ferrari de Didier Pironi, que largava na pole position, não saiu do lugar na largada e Riccardo Paletti, da equipe Osella, bateu forte no carro do ferrarista. Paletti foi encaminhado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por conta de uma hemorragia. Era o segundo GP da carreira do italiano, que completaria 24 anos dois dias depois.

Após a relargada, Nelson Piquet venceu a prova, mas pouco comemorou. Outros dois brasileiros também foram protagonistas daquele fim de semana, mas por motivos não muito gloriosos. Chico Serra e Raul Boesel saíram no tapa em uma discussão após o classificatório de sábado.

2) Boas lembranças para o Brasil

No GP do Canadá em 1990, apenas cinco pilotos – dos 26 que largaram – conseguiram completar as 70 voltas da prova. Foram diversos abandonos e batidas, muito em função da pista molhada por conta das fortes chuvas que castigaram Montreal no fim de semana da corrida. Quem se deu bem com isso foram os brasileiros. Ayrton Senna venceu o GP, seguido por Nelson Piquet. Foi a penúltima dobradinha brasileira na Fórmula 1. Foi no Canadá também, no ano seguinte, que Piquet conseguiu sua última vitória na categoria.

3) Torcida canadense faz festa para vitória inédita de Alesi

Em 1995, Jean Alesi corria pelo quinto ano consecutivo na Ferrari. Uma marca negativa, porém, chamava mais atenção do que sua longevidade na equipe: até o Grande Prêmio do Canadá daquele ano, o francês nunca tinha vencido na Fórmula 1. Mas na prova em Montreal, no dia 11 de junho, tudo parecia conspirar a favor do piloto.

Naquele dia, Alesi completava 31 anos. Em seu carro, o francês homenageou o ídolo local Gilles Villeneuve e colocou o número 27, característico do canadense. Após ter largado em quinto, o piloto correu bem e conquistou sua primeira vitória na F1, para delírio do público. A festa no circuito canadense foi grande. Torcedores romperam a barreira de proteção que cercava  a pista e a invadiram com os carros ainda em movimento. Uma imagem marcante da comemoração de Alesi foi quando o francês subiu na Benetton de Michael Schumacher e “surfou” até o pit lane.

4) Hamilton vence, mas Kubica rouba a cena

O Grande Prêmio do Canadá de 2007 teve lembranças opostas para os pilotos Lewis Hamilton e Robert Kubica. O britânico, que estreava na Fórmula 1, não teve muita dificuldade para vencer a corrida após largar na pole position.

Contudo, o destaque do dia ficou por conta da forte bartida de Kubica, que atualmente se recupera de um grave acidente ocorrido numa competição de Rali em fevereiro. O polonês tocou a Toyota de Jarno Trulli, perdeu o controle de sua BMW-Sauber e se chocou violentamente contra o muro. Por conta da batida, o polonês não foi autorizado pelos médicos da F1 a correr o GP dos Estados Unidos, etapa seguinte da temporada.

Getty Images
Lewis Hamilton protagonizou acidente do GP do Canadá de 2008 ao chocar-se contra a Ferrari de Kimi Raikkonen nos boxes
5) Kubica vence, mas Hamilton rouba a cena

No GP do Canadá em 2007, Hamilton venceu pela primeira vez na Fórmula 1 e Kubica sofreu forte acidente. Um ano depois, a história em Montreal foi oposta. Foi vez do polonês ganhar sua primeira corrida na categoria e do britânico sair da prova por conta de uma batida.

O acidente do piloto da McLaren, porém, não foi tão grave quanto o de Kubica no ano anterior. Mas também chamou atenção. O britânico, que liderava a prova, bateu na traseira da Ferrari de Kimi Raikkonen na saída dos boxes. Após a corrida, o piloto lamentou a infelicidade. “Foi um grande azar. É muito diferente de bater no muro, ou coisa assim. Estraguei a corrida do Kimi e peço desculpas por isso”, disse.

Leia tudo sobre: F1Ayrton SennaNelson PiquetGilles VilleneuveMontreal

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG