Com pouco combustível, equipe alemã sempre anda entre os primeiros nos treinos. Porém, nos GPs, não consegue manter o nível

No mundo do futebol , o jargão diz que “treino é treino e jogo é jogo”. A Mercedes vem mostrando em 2011 que a Fórmula 1 também pode ser assim. Após seis corridas, a equipe não consegue repetir no domingo o desempenho que apresenta na sexta-feira e no sábado, nos treinos livres e classificatório.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Até aqui, o melhor resultado obtido pela equipe em corridas foi o quinto lugar que Nico Rosberg alcançou na China e na Turquia . Michael Schumacher fez sua melhor prova na Espanha , quando terminou na sétima colocação. Nos treinos livres, no entanto, a escuderia atinge o top cinco com muito mais facilidade – em todos os finais de semana, ao menos uma vez um piloto da equipe esteve entre os melhores de uma prática. Na Turquia, por exemplo, Nico Rosberg fez o segundo melhor tempo na primeira e na segunda sessão, desempenho repetido por Schumacher na terceira.

A Mercedes de Michael Schumacher em Mônaco - o alemão largou em quinto, mas abandonou após acidente
EFE
A Mercedes de Michael Schumacher em Mônaco - o alemão largou em quinto, mas abandonou após acidente

Rosberg, aliás, é quem mais apresenta dificuldades para manter os resultados que alcança nos treinos durante as corridas. Foi o jovem alemão, sétimo colocado no Mundial de Pilotos , que conseguiu o melhor grid da equipe até aqui – saiu em terceiro no Grande Prêmio da Turquia. Porém, só em uma prova o piloto completou na mesma posição em que largou. Nas outras cinco, seu desempenho piorou em relação ao início da corrida ( veja tabela abaixo ).

Schumacher também tem problemas para manter a posição que conquista no sábado. No começo da temporada, o heptacampeão mundial, atual 11º no campeonato, teve dificuldades nos classificatórios, e não avançou ao Q3 nas três primeiras corridas do ano. Mesmo assim, em somente três oportunidades o alemão conseguiu terminar a prova em uma posição melhor do que largou.

E se o classificatório que valesse pontos?

Atualmente, a Mercedes ocupa a quinta colocação no Mundial de Construtores , com 40 pontos conquistados. Cada um de seus pilotos passou três corridas em branco, o que atrapalha a escuderia na briga com a Renault, que já anotou 50, pela quarta colocação. Porém, se fosse o desempenho nos classificatórios que valesse pontos – e não o da corrida – o panorama seria diferente.

Neste caso, Rosberg e Schumacher, juntos, já teriam anotado 62 pontos. Além disso, o jovem alemão teria ido ao pódio por sua terceira colocação no grid na Turquia – coisa que ainda não aconteceu com os pilotos da equipe nesta temporada.

Nos treinos livres, então, o número de pódios aumentaria mais ainda. Rosberg foi duas vezes segundo – as duas na Turquia – e três vezes terceiro – uma na Espanha e duas em Mônaco – em treinos livres. Já Schumacher teria estourado champanhe na Malásia – quando conseguiu um terceiro lugar –, na Turquia – onde alcançou um segundo e um terceiro – e na Espanha – lá, foi o terceiro melhor no terceiro treino livre.

Veja o desempenho que consagrou a Mercedes como "leão de treino" :

Treinos livres Classificatório Corrida
Austrália
Nico Rosberg 4º, 10º e 8º Abandonou
Michael Schumacher 8º, 6º e 10º 11º Abandonou
Malásia
Nico Rosberg 10º, 7º e 11º 12º
Michael Schumacher 3º, 5º e 10º 11º
China
Nico Rosberg 11º, 4º e 4º
Michael Schumacher 18º, 5º e 9º 14º
Turquia
Nico Rosberg 2º, 2º e 4º
Michael Schumacher 3º, 4º e 2º 12º
Espanha
Nico Rosberg 3º, 6º e 6º
Michael Schumacher 7º, 7º e 3º 10º
Mônaco
Nico Rosberg 3º, 3º e sem tempo 11º
Michael Schumacher 10º, 7º e 5º Abandonou
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.